Madeira talhada de geração em geração

Mostra traz 40 obras criadas por Itamar, Vicentina, Antônio, Maria, João, Juliana, Ari, Osmar, Anésio e Márcio Julião

iG Minas Gerais | daniel toledo especial para o tempo |

Produção inclui animais, árvores, castiçais, presépios e namoradeiras
DANIEL MANSUR/DIVULGAÇÃO
Produção inclui animais, árvores, castiçais, presépios e namoradeiras

Foi em meados da década de 1980, durante pesquisa para o Centro de Artesanato Mineiro, que a curadora Maria Amélia Dornelles conheceu a arte produzida pela família Julião. Tão impressionada com os trabalhos quanto com a transmissão de práticas de geração a geração, Maria Amélia passou, então, a acompanhar o trabalho da família, que rodou meio mundo e chega, agora, ao Centro de Arte Popular (CAP).

“Quando eu os conheci, ainda havia muito pouco acesso aos trabalhos de arte popular, e até mesmo o acesso à cidade de Prados, onde eles vivem e sempre viveram, era um tanto complicado”, relembra a curadora, chamando atenção à recente incorporação da dita produção popular aos circuitos contemporâneos de arte.

Àquela época, conta Maria Amélia, o grande artista da família era Itamar Julião, já falecido. “No começo eles faziam muitos santos, e depois começaram a se dedicar aos animais que viam nas redondezas. Depois disso, um circo passou em Prados, e o Itamar incorporou aqueles animais ao próprio repertório, fazendo leões cada vez maiores, já sob demanda do mercado”.

Cerca de 40 peças integram a exposição, ali incluídos vários integrantes da família. Além disso, há fotos e um vídeo que oferece ao público a oportunidade de conhecer o contexto de trabalho do clã de artistas.

Exposição. “Prados – Família Julião”, no Centro de Arte Popular (rua Gonçalves Dias, 1.608, Funcionários). Até 15 de fevereiro de 2015 (às terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h; às quintas, das 12h às 21h; sábados e domingos, das 12h às 19h). Entrada gratuita.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave