Tapete da memória

iG Minas Gerais |

undefined

A escolha do Independência pelo Atlético, sua casa, só tem uma razão, a de achar que terá mais chances de vencer. O Galo sabe também que resultados heroicos são factíveis, diante da torcida, contra times de fora. Como essas vitórias ocorrem no segundo jogo, foi bom para o Cruzeiro fazer a primeira partida no Independência. São apenas reflexões, divagações. As partidas serão decididas pelo imponderável e pelo talento individual e coletivo. O Cruzeiro possui Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Fábio, e o Atlético tem Tardelli e Victor, cinco entre os melhores do Brasileirão, embora Kaká lidere a Bola de Ouro, da Revista Placar, o que é incompreensível. Kaká tem jogado bem, mas, além dos cinco citados, há outros à sua frente. Os votantes devem ser tietes do jogador. Hoje, tem São Paulo e Inter. O São Paulo, que jogaria na Colômbia, protestou, com razão, e a CBF, a Conmebol e a TV Globo mudaram as datas, prejudicando o Inter, que reclamou, também com razão. O Inter não terá Aránguiz, além de estar grogue, após o nocaute contra o Grêmio. Um leitor me pediu para falar de clássicos que joguei. Lembro-me de um 3 a 3, no Mineirão. Saí, machucado, no início da partida. O Atlético fez 3 a 0, e o Cruzeiro empatou. Quando tinha 16 ou 17 anos, no Independência, antes do Mineirão, em 1963 ou em 1964 – faz tanto tempo que nem o Google sabe a data certa –, houve uma pancadaria em campo, e todos os jogadores foram expulsos. Perdi a chance de ganhar o troféu Belfort Duarte, dado ao atleta que atuava dez anos sem levar cartão vermelho. No Mineirão, não me lembro do ano, o árbitro marcou um pênalti a favor do Cruzeiro e foi agredido por vários jogadores do Atlético, que foram expulsos. O jogo terminou. Na época, fiquei impressionado com a agressividade dos jogadores do Atlético, desde o início da partida. Será que tomaram um café diferente? Lembro-me ainda de um 4 a 0 para o Cruzeiro, no Mineirão. Dei um drible em meu marcador, que caiu, e passei a bola para um companheiro fazer o gol. Um colunista atleticano, que falava do Galo, escreveu que meu marcador deveria ter me dado um soco, para salvar a honra atleticana. Ao contrário do que dizem, havia, no passado, dentro de campo, mais violência do que hoje. Em compensação, tinha menos faltas comuns, e o jogo era menos truncado. Nossas lembranças costumam ser as afetivas e as convenientes. Lembramos das coisas boas, e as ruins são jogadas para debaixo do tapete da memória, até que, um dia, os fantasmas renascem para perturbar nossas vidas.

Sem favorito Muitos torcedores e jornalistas gostam de dizer que o grande time do Cruzeiro dos anos 60 foi consequência de um ótimo planejamento e da visão do presidente Felício Brandi, que foi atrás de vários jovens promissores. Não foi assim. O time surgiu por acaso. Isso é um fato. Outro é a indiscutível boa administração de Felício Brandi. O mesmo ocorreu com outras grandes equipes, como o Atlético, com Reinaldo, Cerezo, Luisinho, Éder, Marcelo Oliveira. Boas administrações são importantíssimas para se formar um bom time e para criar condições para se ter uma equipe forte e competente durante um longo tempo, mas os times que fascinaram, com vários craques, apareceram de repente, sem avisar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave