Dedução será a ‘mínima possível’

iG Minas Gerais |

Brasília. A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, disse que o compromisso do governo neste ano é fazer o maior superávit primário possível. No entanto, afirmou que não tem, neste momento, como cravar uma meta de superávit, porque as receitas estão muito erráticas e o governo ainda depende dos recursos extras do Refis (programa de parcelamento de débitos).  

“O compromisso do governo é fazer superávit primário neste ano, e o maior possível. O que está estabelecido na LDO não é possível, mas é possível um superávit”, afirmou.

Em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, Miriam disse que o compromisso de superávit inclui abater o mínimo possível do valor que está sendo proposto. Segundo ela, desde 2008 há o abatimento do PAC e, há dois anos, foram incluídas as desonerações. “Todo ano, o abatimento efetivo é menor que a autorização da LDO. Neste ano será igual”, garantiu.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave