Fora da zona de conforto e com letras borbulhantes na cabeça

Em bate-papo, escritora fala de polêmica no Prêmio Jabuti e sobre o ofício de escrever

iG Minas Gerais | lucas simões |

A escritora vai conversar com o público pelo período de uma hora
aml/divulgação
A escritora vai conversar com o público pelo período de uma hora

Com mais de 110 livros publicados e 20 milhões de exemplares vendidos ao redor do mundo, a escritora Ana Maria Machado, 71, não se enxerga no conforto do reconhecimento. Recentemente ela passou pelo dilema de presenciar seu livro “Infâmia” (Alfaguara, 2011) ganhar uma nota zero do jurado Rodrigo Gurgel no Prêmio Jabuti do ano passado – o mais importante da literatura nacional. Tateando as palavras para falar sobre o episódio, a escritora se disse surpresa, mas aliviada hoje. “Eu fiquei aliviada porque, independente da índole que uma crítica é feita, a gente tem que se incomodar com o próprio trabalho. Se acomodar com números, palestras e afagos não combina com a arte de escrever”, diz.

É no espírito de quem está calejada de prêmios como referência para a literatura brasileira, principalmente do nicho infantil – e de quem convive com a crítica de uma forma plácida –, que a escritora fala sobre seu ofício, nesta quarta à noite, na palestra “Os Segredos e Mistérios da Escrita”, no auditório da Academia Mineira de Letras (AML).

O livro “Infâmia”, inclusive, vencedor do prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura, estará à venda ao preço simbólico de R$ 5, e deve atrair a atenção das cerca de 60 pessoas que vão comparecer ao bate-papo. Apesar disso, a escritora que deixou recentemente a presidência da Academia Brasileira de Letras (ABL) – mas é imortal da instituição ocupando a cadeira de número 1 – adianta que deve destilar seu foco para as minúcias que envolvem o arremate de frases e personagens. “Vou falar sobre um novo livro que ainda está em gestação na minha cabeça e usar esse gancho para abordar o processo de escrita, que é complexo, às vezes irreal, às vezes incompatível com quem segura a caneta na frente do papel”, resume.

Questionada sobre o que ela está escrevendo, de onde vem sua inspiração, como consegue convencer crianças tão pequenas a gostar de livros, Ana Maria Machado simplifica o ofício que tira seu sono e a acompanha o tempo inteiro, dando pinta de como encara a tarefa “surpreendente de escrever diariamente”. “Escrevo além do papel e do computador. A todo momento, em aeroportos, táxis, ruas, lavando pratos, estou escrevendo”, diz.

Agenda

O QUê. Ana Maria Machado em “Os Segredos e Mistérios da Escrita”

ONDE. Academia Mineira de Letras (rua da Bahia 1.416, centro)

QUANDO. Nesta quarta, às 19h

QUANTO. Entrada gratuita com retirada de senha 30 minutos antes do início do bate-papo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave