PM mantém decisão do Galo de não ofertar 10% de ingressos para Raposa

Por questões de segurança, a corporação manteve o ofertado pelo Atlético: 1.871 ingressos; diretoria celeste, que até ontem exigia a carga de 10%, ainda não se posicionou

iG Minas Gerais | GABRIELA PEDROSO* |

Secopa sobrevoa o Independência durante a partida do Atlético com o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro
Divulgação/Secopa
Secopa sobrevoa o Independência durante a partida do Atlético com o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro

A Polícia Militar de Minas Gerais confirmou, na manhã desta terça-feira (11), que, por questões de segurança, vai manter a carga de 1.871 ingressos para a torcida cruzeirense no duelo desta quarta-feira (12), entre Atlético e Cruzeiro, às 22h, no Independência, pela final da Copa do Brasil. Os bilhetes se referem ao setor Ismênia, no anel superior da arena, que tem carga máxima de 2.219 lugares, mas, com o isolamento dos policiais – para evitar confusões entre as torcidas durante o jogo -, a carga caiu para 1.871 ingressos. Isso equivale a 8% da capacidade total do estádio, que é de 23.020 pessoas. O Cruzeiro ainda não se manifestou para dizer se aceita o acordo ou se prefere jogar com torcida única. 

“A PM não impõe percentual de torcedores de cada clube que deve ir ao estádio. O Atlético nos forneceu o ofício estabelecendo o setor Ismênia para a torcida visitante e, por questões de segurança, restringimos o número para 1.871”, explicou o coronel Ricardo Machado, chefe do Comando de Policiamento Especializado (CPE).

No início da noite desta segunda-feira, a diretoria do Galo encaminhou o mesmo documento ao Cruzeiro, dizendo que não cederia mais lugares ao rival e que o time celeste contará apenas com o que foi estipulado pela PM. Entretanto, a diretoria celeste alega que tem direito aos 2.302 ingressos correspondentes a 10% da capacidade total do Independência. 

De acordo com o coronel Ricardo Machado, a PM não irá interferir na decisão do Cruzeiro de aceitar ou não a carga de ingressos estipulada pelo Atlético. Caso o time celeste não aceite, o jogo terá torcida única, com 100% de atleticanos.

Operação policial para o clássico

Para  garantir a segurança na final mineira da Copa do Brasil desta quarta-feira, a Polícia Militar fará a maior operação da história do clássico mineiro. Ao todo, um efetivo de 3.000 homens atuará nas ruas de Belo Horizonte e de cidades da região metropolitana. De acordo com a corporação, serão pelo menos 500 policiais dentro e no entorno da Arena Independência, para evitar confusões.

“Nossa pretensão é garantir a segurança do torcedor que quer se divertir e não praticar vandalismo”, afirma o coronel Ricardo Machado.

Para efeitos de comparação, o jogo entre Atlético e Flamengo, pela semifinal da Copa do Brasil, foi acompanhado por 900 policiais em toda Belo Horizonte.

*Colaborou Débora Costa