Empresa afirma que obra trará revitalização

iG Minas Gerais |

Apesar da expectativa da obtenção de ouro a partir da obra de desassoreamento, o sócio da PC Mineração Jorge Bolívar afirma que ainda não é possível saber se há o metal precioso em meio aos sedimentos. Ele garante que o foco é a retirada de areia e cascalho. Ele apresentou à reportagem uma Autorização Ambiental de Funcionamento (AFF) e uma declaração do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) permitindo a atividade em um trecho de 25 km do rio das Velhas. Os documentos têm data de setembro deste ano e, portanto, teriam sido concedidos após o início do período de exploração irregular, que, segundo a Semad, começou em junho.

Bolívar nega que tenha começado a retirada de ouro em junho e afirma que só em outubro passou a procurar pelo metal na área, com uma draga. “Em junho o que se iniciou foi o desassoreamento do rio e com a licença da prefeitura”, disse.

“Vamos fazer a revitalização dos primeiros 25 km do rio das Velhas”, completou, ressaltando que o processo de beneficiamento dos sedimentos não usará produto químico e não trará danos ambientais.

Os documentos solicitados pela Semad foram entregues na última sexta-feira e serão analisados. (JHC)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave