Economistas elevam projeção para taxa básica de juros a 11,5%

Pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira, também mostrou que os especialistas veem a Selic em 12% no final de 2015 e cortaram a projeção para o crescimento do PIB para 0,20% em 2014

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Economistas de instituições financeiras elevaram a estimativa para a taxa básica de juros (Selic) a 11,5% no fim deste ano, ante 11% previstos antes, e cortaram a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 0,20% em 2014.

A pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira (10), também mostrou que os especialistas veem a Selic em 12% no final de 2015, após o Banco Central aumentar a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, a 11,25% ao ano, no final do mês passado.

O Banco Central argumentou que câmbio e preços administrados estavam pesando sobre os preços e, por isso, decidiu iniciar novo ciclo de aperto monetária.

O Comitê de Política Monetária do BC (Copom) tem ainda mais uma reunião neste ano, em 2 e 3 de dezembro, para definir o futuro da Selic.

Na semana passada, o Focus havia mantido a taxa básica em 11% até o fim do ano, nas primeiras projeções coletadas após a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Segundo o Banco Central, as estatísticas calculadas pelo sistema Expectativas na sexta-feira (31) e publicadas na última segunda (3) no Focus e nas séries expectativas consideraram como válidas as expectativas registradas no sistema nos últimos 30 dias.

Algumas instituições não tinham alterado suas projeções após a elevação da taxa básica pelo Copom.

Crescimento

Sobre a expansão do PIB, a perspectiva foi reduzida a 0,20% neste ano, frente a 0,24% de crescimento previsto antes. Para 2015 a projeção é de expansão da economia de apenas 0,80%, abaixo do 1% da pesquisa anterior.

Em relação à alta do IPCA, a projeção para este ano foi reduzida a 6,39% e, para 2015, subiu 0,08 ponto percentual, a 6,40%, aproximando-se mais do teto da meta do governo, de 6,5%.

Leia tudo sobre: SelicTaxa Básica de JurosPIBBrasilEconomiaEconomistasFocusBanco CentralPesquisa