“Somos um povo que não teve educação financeira em casa e na escola”

Odete Reis Educadora financeira Ministra Palestras, Cursos e Workshops

iG Minas Gerais |

Como não se tornar um comprador compulsivo?  

Os estímulos para o consumo estão cada vez mais bem direcionados ao público alvo, mas esse é o papel do marketing. Cabe a nós consumidores nos planejarmos para comprar aquilo que realmente precisamos e o que desejamos. Ter em mente também uma lista do que precisamos é fundamental. Tem uma regrinha básica com três perguntas quando estamos diante de uma tentação de compra: 1) Eu realmente estou precisando deste produto? 2) Eu tenho dinheiro para comprar à vista e ainda obter um bom desconto? 3) Preciso comprar este produto agora ou posso esperar mais um pouco? Só compre se obtiver o sim como resposta para as três perguntas. Você percebe que essa compulsão por compras aumenta com a chegada do final de ano?

Acredito que aumenta muito a compulsão pela compra com o dinheiro do 13° salário e do bônus de final de ano. As pessoas se sentem mais ricas e começam a gastar sem antes fazer um balanço da real necessidade de consumo e situação financeira. Consumir é positivo, o que não dever ser feito é adquirir bens desnecessários e ainda pagando juros altos por eles. Para quem já tem a oniomania é uma época mais crítica?

O consumidor compulsivo tem mais atrativos. As lojas ficam mais chamativas, as luzes de Natal são um encanto, e as propagandas totalmente direcionadas a felicidade da realização do consumo. Mas falta educação financeira?

O brasileiro vem de uma cultura da inflação altíssima em que se precisava gastar logo seu dinheiro para não realizar perdas. O plano real completou vinte anos, mas a cultura ainda traz resquícios da época inflacionária. Somos um povo que não teve educação financeira em casa e nem na escola, e isso, somado ao incentivo de comprar e as facilidades de crédito tem feito muitos estragos. Como cuidar da saúde financeira, principalmente nessa época?

O primeiro passo é saber quanto ganha e como se gasta. Para isso, faça um controle mensal das finanças pessoais. Aproveite o 13º salário para pagar as dívidas com taxas de juros mais altas. Se estiver sem dívidas, reserve uma parte para as contas do início do ano (IPVA, IPTU, material escolar). Somente gaste com festas, presentes ou viagem se estiver no azul e com uma boa reserva.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave