O fenomenal Buaiz

iG Minas Gerais |

Duduas Profeta/divulgação
undefined

O sobrenome Buaiz, no Espírito Santo de Roberto Carlos, Danuza Leão e Rubem Braga, é sinônimo de Vitória. Tanto que Marcus Buaiz resolveu "invadir" São Paulo. É um workaholic assumido; expert em gestão de marcas e imagem. Sócio de Ronaldo Fenômeno na 9ine, ainda é dono de boates, produz grandes eventos e é casado com a linda cantora Wanessa, filha de Zezé Di Camargo. Palmas que ele merece.

 

Marcus, fale um pouco do club Provocateur, que você trouxe de Nova York para o Brasil – primeiro em São Paulo, recentemente em BH.

É um conceito que mudou a noite em Nova York. E quando se muda o conceito da noite de lá, pode ser exemplo pra qualquer lugar do mundo. Foi um grande orgulho termos sido escolhidos como o grupo que trouxe esta marca para o Brasil. Hoje temos casas em São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte e estamos avaliando outros lugares no país. Aqui em BH, licenciamos a marca para Daniel Henriques, Pedro Henrique Cruz e Hugo Almeida. Está sendo um sucesso. Vim para aplaudir.

 

Não à toa prestigiaram BH... E a quantidade de mulheres bonitas aqui?

BH é terra de muitos amigos. Mas mulher bonita, homem casado tem que olhar de lado... (risos). Vim aqui abraçar nos amigos e fiquei impressionado com o projeto. Não deixa a desejar nem à casa matriz, em NY. O conceito é sempre muito parecido, bem como a decoração, o design.

 

E seu novo projeto em Minas, Royal Club?

Vamos inaugurar a Royal provavelmente em dezembro (onde funcionava a Cinco, em Nova Lima). Essa casa, nascida em São Paulo, temos também em Goiânia e Vitória. É uma marca brasileira, criada pelo Giovanni Bianco, grande nome do design mundial. Enquanto a Provocateur é mais focada na house music, a Royal é mais pop, onde se ouve de funk a hip hop. Como o formato e o estilo de música são diferentes, há total condição de termos as duas no mercado.

 

Minha geração está na “segunda idade e meia”, fugiu da noite. Em BH, a moçada domina, ao contrário das grandes metrópoles. O que falta para atrair este público?

Posso falar de São Paulo, onde há espaço pra tudo. Acho que casas com o clima desta (Provocateur) permitem qualquer tipo de público, desde que você construa uma promoção pra cada um. Todas as casas do mundo hoje promovem estas noites (para gente mais madura). Só depende de atualizar o DJ para que agrade este nicho. Minhas casas tem capacidade de receber jovens, adultos, todo tipo de gente. Em São Paulo temos mercado e acredito que aqui em BH também. 

 

O que acha da noite do Rio de Janeiro?

Pra mim, deveria ser a melhor do Brasil.

 

E por que a de São Paulo é melhor? Rola mais dinheiro?

São Paulo tem uma filosofia próxima à de Nova York. O nova-iorquino paga pra se divertir, já o carioca gosta de ganhar pra se divertir. A cultura do Rio é bem parecida com a de Los Angeles, talvez pela quantidade de artistas que vivem lá. Mas eu tenho vontade de abrir um club no Rio.

 

A noite de lá depende do carioca ou do turista?

No Rio as pessoas se divertirem nas casas umas das outras, mas acredito que tenha mercado. Até 2016, com certeza, uma das minhas casas vai entrar lá. Seria um presente. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave