Justiça rejeita denúncia contra o jogador Adriano

Jogador foi denunciado por associação ao tráfico de drogas, na última terça-feira, 4

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

ALEXANDRE VIEIRA/AGÊNCIA O DIA
undefined

A juíza Maria Tereza Donatti, da 29ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, rejeitou nesta quinta (6) a denúncia feita pelo Ministério Público estadual contra o jogador Adriano. O atacante foi denunciado, na terça (4) por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

O jogador passou a semana na França onde negocia com um time da segunda divisão do país. Para o advogado Ary Bergher, que defende o jogador houve um "excesso do Ministério Público". "Estávamos tranquilos. Sempre confiamos no bom senso", disse Bergher.

Investigação policial realizada em 2008 e que resultou na denúncia do MP apontou que Adriano comprou uma moto para o traficante Paulo Rogério de Souza Paz, conhecido como "Mica", da Vila Cruzeiro, zona norte do Rio. O veículo foi colocado no nome da mãe de Mica. De acordo com as investigações, o criminoso teria frequentado a mesma escola que o jogador.

Em depoimentos, Adriano sempre negou o envolvimento com o traficante Mica e que o veículo era um presente para a mãe do criminoso.

Adriano comemorou a decisão judicial: "Eu sabia que tudo daria certo. Eu não devo nada a ninguém. Sou honesto", disse o jogador.

Na denúncia, os promotores Homero das Neves e Alexandre Graça relatam que Adriano deixou os documentos e o cartão de crédito com um amigo que comprou em uma concessionária duas motos Honda CB 600: uma da cor vermelha e outra da cor preta. A moto vermelha foi colocada em nome da mãe de Mica. A de cor preta teria ficado com o jogador.

Os promotores pediram, na denúncia, a apreensão do passaporte do jogador. Eles consideraram que não era necessário pedir a prisão de Adriano.

Em sua decisão, a juíza Maria Tereza Donatti relatou que o Ministério Público "não havia suporte probatório mínimo quanto à autoria desse delito".

De acordo com a juíza houve "precipitação dos promotores" na elaboração da denúncia "deixando de formular adequadamente a acusação, violando a possibilidade de defesa dos denunciados, além de tê-la oferecido sem indícios mínimos de autoria".

O promotor Homero das Neves informou que não foi comunicado oficialmente da decisão judicial. "Assim que isso acontecer iremos recorrer. Esta decisão não é definitiva", disse.

Leia tudo sobre: Adrianotráficodenúnciaimperadorfutebol