Cruzeiro também apoia clássico com torcida única

Diretoria usa o argumento da segurança para defender a posição e relembra últimos episódios negativos nos estádios

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Apesar de rebater as informações com bastante veemência, o diretor afirmou que eventuais contratações podem ser feitas
VIPCOMM/DIVULGAÇÃO
Apesar de rebater as informações com bastante veemência, o diretor afirmou que eventuais contratações podem ser feitas

Por causa das inúmeras confusões registradas nos últimos clássicos entre Cruzeiro e Atlético, tanto no Mineirão quanto no Independência, e devido às punições sofridas pelo clube celeste, a Raposa também concorda com a realização dos jogos da final da Copa do Brasil com torcida única.

 

O diretor de futebol celeste, Alexandre Mattos, durante o desembarque da delegação no Aeroporto de Confins, afirmou que prefere ver um clássico com torcida única e com festa dos donos da casa, do que ver se repetir os atos lamentáveis de brigas e lançamento de bombas que ocorreram nos últimos embates entre os maiores rivais do estado.

“Acredito que sim (jogos com torcida única). Temos vários exemplos, infelizmente negativos, de situações de violência que aconteceram. O que nós queremos é ter tranquilidade, fazer um espetáculo dentro de campo e ver, a torcida que comparecer, festejar com muita tranquilidade, com muita paz e curtir bastante esse momento, que é maravilhoso para Minas Gerais em todos os sentidos”, disse.

Com a afirmação do presidente do Atlético, Alexandre Kalil, de que vai mandar o jogo do Galo como mandante no Independência, Mattos disse que o mesmo deve ser adotado na segunda partida da decisão, no Mineirão, que terá a Raposa como mandante. “O Cruzeiro já vinha adotando isso há algum tempo. O que for definido será totalmente igual. Se for uma torcida só no Independência, será no Mineirão e vice-versa”, concluiu.  

Leia tudo sobre: Cruzeirodesembarquetorcida únicaRaposaargumento