Tumulto, desmaio, briga e depredação: a rotina de entrada no Mineirão

Confusões se repetem desde a final da Libertadores, no ano passado, e costumam acontecer apenas em partidas do Atlético

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

undefined

Não é preciso ser nenhum especialista em segurança pública para afirmar: uma tragédia pode acontecer a qualquer momento na entrada do torcedor antes de jogos do Atlético, no Mineirão. Aconteceu na final da Libertadores, na final da Recopa, no jogo contra o Corinthians e, agora, na partida contra o Flamengo.

A quantidade de torcedores que entram de última hora no estádio, a pouca vazão para o fluxo e a falta de um planejamento prévio das autoridades e organizadores para controlar o tumulto tem se tornado um perigoso barril de pólvora. A reportagem do Super FC acompanhou com exclusividade a entrada da torcida no jogo dessa quarta-feira (veja as impressionantes cenas).

Meia hora antes do apito inicial, milhares de atleticanos se aglomeraram no portão F. Com problemas no reconhecimento dos ingressos pelas catracas – por ingressos falsos ou de portões errados –, a entrada tem sido lenta, o que provoca uma ânsia dos torcedores, gerando uma pressão que força a entrada.

Resultado: os seguranças não conseguem controlar a revolta do torcedor, gerando brigas e depredações, fazendo com que a Polícia Militar intervenha. Nessa quarta-feira, foi utilizado gás de pimenta para tentar dispersar a multidão e até o fechamento dos portões para evitar a invasão. Mas não tem jeito e a ordem da PM acaba sendo a liberação das entradas.

Até aí, muitos torcedores já passam mal. Um homem caiu, cortou a cabeça e precisou ser carregado por um policial. Na porta de entrada do estádio, vergonhosas gotas de sangue. Crianças, mulheres e idosos são espremidos e têm dificuldades de pular ou passar por baixo das catracas. “Paguei R$ 150 para passar por isso?”, desabafa um torcedor.

Explicações

Em nota, a Minas Arena informou que trabalha em parceria com a PM com a atuação de seguranças privados para garantir a segurança do torcedor. “A concessionária esclarece que no jogo entre Atlético e Flamengo foram apreendidos mais de mil ingressos falsos, o que pode ter causado grande aglomeração em alguns portões do Mineirão”, informou a empresa.

A Minas Arena reforça que a segurança é responsável por fazer a primeira abordagem. Caso haja algum tumulto ou agressão física, a Polícia Militar é acionada. “Ela possui autonomia para conter o comportamento agressivo que alguns torcedores têm adotado na entrada ao estádio, em dias de jogos de futebol”, disse, em nota. A Polícia Militar promete analisar as imagens antes de comentar a operação.

Leia tudo sobre: AtléticotumultoMineirãoFlamengo