IBGE estuda divulgar dado mensal no país a partir de fevereiro

Quando isso ocorrer, o que é esperado para o início do próximo ano, a PME deixará de ser produzida, e a Pnad Contínua mensal entra em cena, com os tais indicadores

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O IBGE estuda começar, em fevereiro, a divulgar mensalmente indicadores do mercado de trabalho considerando todo o país, em vez de apenas seis regiões metropolitanas, como atualmente é feito. A confirmação da data, porém, depende da consolidação dos estudos no IBGE a esse respeito. Essa modificação, quando ocorrer, será por meio da substituição da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), de coleta de dados geograficamente restrita, pela Pnad Contínua, que produz dados sobre emprego e renda em nível nacional.

Atualmente, a Pnad Contínua, pela maior abrangência, é divulgada a cada três meses. Foi criada em 2012. Os estudos acontecem de forma a tornar a coleta de dados mensal para a Pnad Contínua mensal em três indicadores -taxa de ocupação, nível de ocupação e rendimento. Quando isso ocorrer, o que é esperado para o início do próximo ano, a PME deixará de ser produzida, e a Pnad Contínua mensal entra em cena, com os tais indicadores. Os demais dados da Pnad Contínua continuarão com divulgação trimestral.

O coordenador das duas pesquisas, Cimar Azeredo, disse que, por depender dos estudos, a data ainda não pode ser confirmada, mas que os técnicos "estão trabalhando muito para que isso aconteça em fevereiro".

"O estudo está bastante avançado e está se consolidando. Se esse estudo for corroborado, e os especialistas mostrarem que podemos adaptar a metodologia, em fevereiro estaríamos divulgando os dados de janeiro já com informações nacionais. Mas, como disse, isso está em estudo. Não há como garantirmos uma data. Há um grande esforço para isso", informou Azeredo, durante a divulgação dos dados da Pnad Contínua referente ao mercado de trabalho no país no segundo trimestre, nesta quinta-feira (6).

A próxima Pnad Contínua a ser apresentada trará os dados do terceiro trimestre de 2013 e será divulgada em dezembro.

Fim da PME

Em janeiro, o IBGE vai trazer novos dados que ainda não existem na Pnad Contínua, especialmente em relação a rendimentos. Esses dados serão acrescentados às pesquisas trimestrais feitas desde 2012. Mas, nesse momento, não haverá divulgação de nova Pnad Contínua trimestral.

Esse passo será importante para que o IBGE aposente a PME, o que, segundo Cimar, poderá ser em fevereiro. Cada PME divulgada visita 45 mil domicílios. Já a Pnad Contínua, são 211 mil.

Para que seja possível ampliar significativamente a amostra de forma, a divulgação mensal será centrada nos indicadores "taxa de desocupação", "nível de desocupação" e "rendimento".

A mudança atende, segundo Azeredo, a uma "demanda da sociedade". "Há uma solicitação muito forte tanto da iniciativa privada quanto das universidades".

Diferenças

Existem diferenças não apenas geográficas entre as duas pesquisas, mas também nas definições dos parâmetros. Segundo Azeredo, a Pnad Contínua já traz definições construídas recentemente na Organização Internacional do Trabalho.

"A Pnad Contínua é uma das mais ajustadas do mundo às recomendações da Organização mundial do trabalho". Uma das diferenças está na definição com idade de trabalhar. A PME considera pessoas com mais de 10 anos; já a Pnad contínua, o limite sobe para 14 anos.

Outra diz respeito a pessoas ocupadas. O ajudante de um parente em alguma ocupação ou negócio que não é remunerado também é considerado ocupado na Pnad Contínua.

Na Pnad Contínua, a expressão População Economicamente Ativa foi substituída por Força de Trabalho, o que, segundo Azeredo, atende melhor os requisitos da OIT. Esse indicador compreende as pessoas ocupadas e aquelas desocupadas, mas que estão pressionando o mercado em busca de emprego.

Em 2013, o IBGE divulgou que deixaria de produzir a PME ao fim de 2014, e passaria a adotar, para efeito de medição das condições do mercado de trabalho, somente a Pnad Contínua, que continuaria trimestral.

No entanto, setores da sociedade mostraram preocupação com a inexistência de um indicador mensal de conjuntura de emprego, caso o único indicador oficialmente considerado passasse a ser a Pnad Contínua.

Desta forma, as discussões foram iniciadas para tentar transformar a Pnad Contínua em indicador mensal, o que, pretende o IBGE, pode acontecer no início de 2015.

"Queremos avançar logo no indicador também para podermos usar os pesquisadores da PME em outras pesquisas", diz Azeredo. Atualmente 400 pesquisadores coletam dados para a PME.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave