Empresário prometeu R$ 10 mil para jovem matar taxista de 92 anos

Famílias dos envolvidos brigavam por terras da região desde a década de 90; crime aconteceu no dia 30 de outubro e contou com a participação de um garoto de 14 anos

iG Minas Gerais | Carolina Caetano |

O empresário de 37 anos, preso nessa quarta-feira (5), suspeito de ter mandado matar um taxista de 92 anos em Santo Antônio do Amparo, na região Centro-Oeste do Estado, teria prometido pagar R$ 10 mil ao jovem de 26 anos que cometeu o crime. No entanto, ele nega o crime.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Leandro de Prata Macedo Costa, o suspeito teria começado a planejar o homicídio ainda em 2013. “Ele ficou sondando esse rapaz de 26 anos para saber se o mesmo tinha coragem de cometer o crime. A conversa entre os dois começou em dezembro do ano passado”, explicou o delegado.

O suspeito, que é dono de uma madeireira na cidade, teria uma rixa antiga com José Campideli por causa de terras na região. “O pai do empresário e a vítima começaram a brigar na década de 90. As famílias não se davam bem e já existiam vários boletins de ocorrências entre os envolvidos. Porém, o pai do homem já havia desistido de brigar, mas o filho resolveu se vingar”, contou Costa.

Após planejar tudo com o mandante do homicídio, o jovem chamou o adolescente de 14 anos para participar do crime. Porém, o menor não sabia que o assassinato era encomendado e que um pagamento já estava combinado. De acordo com o delegado, o maior disse ao garoto que a intenção era roubar o carro e matar o taxista.

Mesmo com a confissão do jovem, o empresário, que já tem antecedentes criminais por estelionato, ameaça e lesão corporal, afirma que não mandou matar Campideli. “Mesmo negando, nós realmente acreditamos que ele tenha sido o mandante pelo histórico de brigas entre as famílias e pelo depoimento de um dos envolvidos no crime”, disse o delegado.

Após prestar depoimento, o suspeito, que pode responder por homicídio triplamente qualificado, foi encaminhado ao Presídio de Lavras. O jovem de 26 anos também está preso, e o menor foi liberado. 

Relembre o caso

O corpo do taxista José Campideli, de 92 anos, foi encontrado em uma vala, na zona rural de Santo Antônio do Amparo, com hematomas e marcas de estrangulamento, no dia 30 de outubro. Dois dias antes ele havia saído para fazer uma corrida e, como não retornou, a família registrou seu desaparecimento na polícia.

Leia tudo sobre: Santo Antônio do Amparotaxista