Sindicato quer jogador livre de clube após 30 dias de salário atrasado

Proposta permite que o atleta deixe o time sem ter que pagar multa rescisória

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

O secretário-geral do FifPro, Theo van Seggelen afirma que a açã é para profissionalizar o futebol
Divulgação/ Theo van Seggelen.
O secretário-geral do FifPro, Theo van Seggelen afirma que a açã é para profissionalizar o futebol

O sindicato mundial dos jogadores de futebol (FifPro) apresentou uma proposta à Fifa para permitir que jogadores que estejam com 30 dias de salário atrasado tenham o direito de rescindir seus contratos profissionais sem pagamento de multa rescisória.

A entidade tem pressionado o órgão que dirige o futebol mundial para aprovar a medida e colocá-la em prática até março do próximo ano.

"Respeito aos contratos e tratar jogadores profissionais de futebol como qualquer outro empregado em um ambiente normal de trabalho não é pedir demais, não é?", questionou o secretário-geral do FifPro, Theo van Seggelen.

"Essa é a nossa proposta. É mais do que justa, já que os jogadores estão hoje molestados por um sistema falho que permite que clubes atrasem o pagamento por até 90 dias sem sofrerem qualquer consequência", completou.

O regulamento atual prevê o desligamento do jogador de um clube caso o atraso no pagamento do salário (apenas a parte registrada em carteira, ou seja, excluindo os direitos de imagem) chegue a três meses.

Leia tudo sobre: FifProtheo van seggelefifa