Escolha do Galo por estádio da final influenciará na regra do gol

Ainda sem posicionamento, Kalil afirmou que vai ouvir antes jogadores e comissão técnica e que decisão será estratégica

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Politica - Belo Horizonte - MG
Filiacao de Kalil ao PSB com Eduardo Campos no San Francisco Flat. 
Na foto: Kalil

Foto: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 03.10.2013
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Politica - Belo Horizonte - MG Filiacao de Kalil ao PSB com Eduardo Campos no San Francisco Flat. Na foto: Kalil Foto: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 03.10.2013

Serão dois jogos no Mineirão ou o Atlético mandará sua partida no Independência? A decisão alvinegra pode mudar a regra do gol qualificado e, consequentemente, o cenário da finalíssima contra o rival Cruzeiro na Copa do Brasil.

Segundo o artigo 13, parágrafo 2º, do Regulamento Específico da Competição, "caso dois clubes de uma mesma cidade joguem as duas partidas no mesmo estádio, o qual será considerado neutro, não será aplicado para efeito de desempate o item 2º do presente artigo (maior número de gols pró assinalados no campo adversário)".

A única imposição é de que as fases semifinal e final sejam realizadas em estádios com capacidade mínima de 15 mil torcedores. A capacidade do Independência é, no papel, de 25 mil pessoas mas, mesmo com restrições de segurança, ultrapassa a marca de 20 mil.

O sorteio do mando das finais será realizado nesta quinta-feira, às 14h, na sede da CBF, no Rio, o que pode influenciar a escolha da diretoria alvinegra (se o Galo fizer o segundo jogo em casa, pode preferir o Independência). As decisões estão marcadas para os dias 12 e 26 deste mês.

Caso as duas finais sejam no Mineirão, também há a possibilidade de divisão meio a meio, embora contrarie o posicionamento recente dos dirigentes. Depois de brigas e confrontos no último clássico, o presidente Alexandre Kalil disse que não vai exigir mais 10% dos ingressos de visitante em mandos do rival, postura que já tinha sido adotada pelo presidente cruzeirense Gilvan de Pinho Tavares.

Posicionamento. Em entrevista nesta quinta-feira ao canal Sportv, o presidente Alexandre Kalil disse que ainda não tomou uma decisão. "Ainda vou me reunir com a diretoria. Mas a última coisa que eu vou pensar é em dinheiro. O palco foi lucrativo, mas eu não descarto que o Independência foi a grande virada do Atlético", ressaltou o dirigente.

Kalil afirmou também que vai ouvir os jogadores e a comissão técnica, mas deixou claro que a decisão será estratégica. "O clube que tem direito de decidir (onde jogar) é o Atlético. O Cruzeiro tem contrato com o Mineirão. Nós vamos aproveitar essa vantagem", destacou.

Leia tudo sobre: atleticogalocruzeiroraposadefiniçaocopa do brasilestadiogolqualificadofinal