Manifestantes se preparam para ir a Pequim

Estudantes que pedem democracia plena em Hong Kong pretendem levar seus protestos aos governantes do Partido Comunista na próxima quinta-feira (6)

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Os estudantes que pedem democracia plena em Hong Kong pretendem levar seus protestos aos governantes do Partido Comunista em Pequim. Eles devem anunciar detalhes de seu novo plano de batalha nesta quinta-feira (6).

O plano mostra uma mudança no foco dos protestos na ex-colônia britânica, afastando-o do governo de Hong Kong, que disse ter uma margem de manobra limitada. Mas é bastante improvável que a China permita qualquer ato pró-democracia em Pequim, especialmente se ele coincidir com o encontro da Apec (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico), neste fim de semana.

"Acho que uma das maneiras pela qual poderemos resolver este problema é irmos a Pequim pessoalmente e ter um diálogo direto com as autoridades, já que o governo de Hong Kong afirma que todas as decisões têm passar pelo Congresso Nacional do Povo", disse na semana passada Alex Chow, líder da Federação dos Estudantes de Hong Kong.

Nas últimas semanas, manifestantes bloquearam as estradas que levam às três principais regiões econômicas de Hong Kong.

Vigilância

Em razão do encontro da Apec, o governo chinês tomou várias providências para evitar protestos e problemas de trânsito e de poluição em Pequim. Milhares de novas câmeras de reconhecimento facial foram instaladas na cidade para identificar potenciais desordeiros durante a reunião.

Empinar pipas se tornou crime passível de prisão em certas áreas. Fábricas foram intimadas a reduzir ou suspender a produção.

Esses são apenas parte dos esforços da China para limpar Pequim de perigos, manifestações e poluição atmosférica durante o encontro, considerado o maior evento da capital desde a Olimpíada de 2008.

A prefeitura também substituiu 450 mil vasos de flores, varreu bancas e quiosques de café da manhã em alguns bairros e tem incentivado moradores, e especialmente os dissidentes, a deixar a cidade.

Além disso, funcionários públicos terão um feriado longo. Para aliviar os congestionamentos, autoridades vão utilizar trens de carga para transportar carros de turistas que visitam a cidade para fora da capital.

O fórum da Apec será encerrado nos dias 10 e 11 com uma cúpula dos líderes dos 21 países que forma o grupo. Entre eles, estarão o presidente chinês, Xi Jinping, o presidente dos EUA, Barack Obama, o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave