Advogados de Adriano criticam MP do Rio por acusação

Representantes do jogador disseram que atleta foi "vítima" e que os fatos são antigos

iG Minas Gerais | Redação |

Jogador está na França, onde negocia volta ao futebol com o modesto Le Havre
Jogador está na França, onde negocia volta ao futebol com o modesto Le Havre

Envolvido em mais uma polêmica na carreira, o atacante Adriano ainda não falou sobre a acusação por tráfico de drogas e associação ao tráfico que foi encaminhada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra ele. Entretanto, os advogados do atleta divulgaram uma nota repudiando a ação.

Os representantes de Adriano trataram de esclarecer que os fatos aconteceram em 2008, “sendo certo que a denúncia oferecida pelo Ministério Público não encontra qualquer respaldo legal/probatório, no inquérito policial”.

Caso seja considerado culpado, Adriano pode pegar até 25 anos de prisão. O jogador se encontra na França, onde está negociando sua volta aos gramados com Le Havre, da segunda divisão francesa.

 

Confira a íntegra da nota divulgada pelos advogados de Adriano:

"Na qualidade de advogados do senhor Adriano Leite Ribeiro, em razão das últimas notícias vinculadas pela imprensa, esclarecemos que trata-se de fatos ocorridos em 2008, sendo certo que a denúncia oferecida pelo Ministério Público não encontra qualquer respaldo legal/probatório, no inquérito policial. O certo é que o senhor Adriano não foi indiciado na mencionada investigação, havendo claro excesso acusatório.

Neste mesmo episódio, o senhor Adriano foi vítima, em razão da venda da moto que lhe pertencia, por terceira pessoa, sem sua autorização ou consentimento e com o uso de sua assinatura falsificada. Fato inclusive registrado pelo mesmo, junto à delegacia de polícia e apresentado para as autoridade competentes. Quanto ao pedido de apreensão do passaporte. Trata-se de pleito descabido, sem qualquer fundamento idôneo e que busca violar seu direito constitucional ao trabalho. A Defesa confia na Justiça, de forma a acreditar que esta acusação será rejeitada de plano. Rio de Janeiro, 5 de novembro de 2014 Raphael Mattos e Ary Bergher, advogados"

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave