Notícia sobre compra da TIM é especulação do mercado, diz ministro

“Conversei ontem [terça-feira (4)] com dirigentes das três empresas [envolvidas na suposta compra da TIM]. Todos negaram”, disse nesta quarta-feira (5) Paulo Bernardo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, classificou de “especulação” a notícia da possível compra da TIM pelas demais grandes operadoras de telefonia no Brasil.

De acordo com informação publicada em alguns jornais, as operadoras Claro, Vivo e Oi estariam combinando comprar e fatiar a TIM. Segundo o ministro, isso não foi confirmado por representantes das empresas.

“Conversei ontem [terça-feira (4)] com dirigentes das três empresas [envolvidas na suposta compra da TIM]. Todos negaram”, disse nesta quarta-feira (5) Paulo Bernardo, durante evento comemorativo dos 17 anos da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). “Acho que, por trás dessa notícia, há gente do mercado financeiro interessada em participações e em ganhar grandes somas... Tanto é que [por causa dessa notícia] a bolsa disparou”.

Paulo Bernardo disse que o governo não vai “alimentar especulações” sobre o caso. “Não estamos no ramo de corretagem de empresas de telecomunicações”, disse o ministro. Mesmo que haja interesse das empresas na compra da TIM, a questão teria de ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para avaliar se a operação implicaria algum problema para a concorrência no setor, acrescentou o ministro.

“Se as empresas tivessem confirmado o acordo, haveria uma confusão enorme. Fizeram acordo onde? No sindicato? E decidiram o quê? Fatiar? Até entendo alguém querer comprar a TIM. Mas aí caberia ao Cade dizer se há problemas de concorrência e [se for o caso] obrigar a passar adiante um pedaço [da empresa adquirida]", ressaltou Paulo Bernardo.

Perguntado se permanecerá na pasta durante o segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, o ministro disse que não sabe o que acontecerá. “A princípio, fico até o dia 31 [de dezembro]. O que eu gostaria é que a presidenta tome a melhor decisão. Penso que toda renovação é salutar e importante, mas isso quem decide é ela. Vocês [jornalistas] que apurem e depois publiquem [essa notícia] para que eu saiba [o que vai acontecer]”, completou o ministro, em tom de brincadeira.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave