Rugai se entrega após Justiça negar pedido para anular sentença

Ex-seminarista chegou à sede do DHPP por volta das 8h30, em um carro da Polícia Civil; ele estava acompanhado de um delegado e de um advogado

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Delegado disse não ter dúvida de que acusado matou 
pai e madrasta
DIOGO MOREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO
Delegado disse não ter dúvida de que acusado matou pai e madrasta

O ex-seminarista Gil Rugai se entregou à polícia na manhã desta quarta-feira (5). O Tribunal de Justiça decidiu, nesta terça-feira (4) negar o pedido de anulação do julgamento que o condenou pelo assassinato do pai e da madrasta em março de 2004.

Rugai chegou à sede do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) por volta das 8h30, em um carro da Polícia Civil. Ele estava acompanhado de um delegado e de um advogado. A defesa do jovem combinou com a polícia o horário que o estudante iria se entregar, na casa da avó dele, na zona oeste.

O colegiado ainda determinou, de maneira unânime, a expedição de um mandado de prisão imediata dele. Há cinco anos um habeas corpus, que mantém Rugai em liberdade, aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal.

Rugai foi condenado a 33 anos e 9 meses de prisão em fevereiro de 2013. A defesa entrou com um recurso contra as provas apresentadas pela acusação.

Como foi o crime

O empresário Luiz Rugai e a mulher, Alessandra Troitino, foram assassinados a tiros em casa, em Perdizes (zona oeste de São Paulo) em 2004.

A investigação da polícia apontou vários indícios contra Rugai. Exames realizados em uma marca de sapato deixada na porta da sala de vídeo -onde o empresário teria tentado se esconder e que foi arrombada- apontaram que quem arrombou a porta teria lesões no pé. Exames de ressonância magnética realizados no pé do suspeito apontaram lesões compatíveis.

Além das provas colhidas na casa, a polícia levantou a hipótese de o crime ter ligação com o afastamento de Rugai da empresa do pai, a Referência Filmes.

O ex-seminarista estaria envolvido em um desfalque de cerca de R$ 100 mil e, por isso, teria sido demitido de seu departamento financeiro. A madrasta, segundo o gerente do banco onde a Referência Filmes tinha conta, proibiu que ele a movimentasse.

Leia tudo sobre: Gil RugaiEx-seminaristaentregapolíciacrimeSão PauloanulaçãosentençaJustiçaBrasil