Rússia remove homenagem a Jobs após atual CEO da Apple falar que é gay

A homenagem, era uma réplica do iPhone de quase 2 metros de altura, que estava no local desde janeiro de 2013, no pátio da Universidade Nacional de Tecnologias da Informação

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O motivo da retirada do monumento seria a existência de uma lei recente que proíbe a
Reprodução/Youtube
O motivo da retirada do monumento seria a existência de uma lei recente que proíbe a "propaganda homossexual"

Após o CEO da Apple, Tim Cook, assumir ser homossexual em um artigo publicado no último dia 30 pela revista "Bloomberg Businessweek". Um monumento erguido em homenagem ao fundador da empresa, Steve Jobs, falecido em 2011, foi removido de uma praça em São Petersburgo, na Rússia.

A homenagem, era uma réplica do iPhone de quase 2 metros de altura, que estava no local desde janeiro de 2013, no pátio da Universidade Nacional de Tecnologias da Informação.

De acordo com a imprensa local, o motivo da retirada do monumento seria a existência de uma lei recente que proíbe a "propaganda homossexual", sendo assim, a homenagem teria se tornado "ilegal".

Maxim Dolgopolov, líder do grupo de empresas chamado ZEFS, anunciou a retirada obra na sexta-feira (31), um dia após Cook assumir publicamente que é gay.

Segundo a universidade, a peça apresentava alguns defeitos e a remoção já estava programada antes mesmo da revelação do CEO. A instituição disse que será feito alguns reparos na réplica, mas não informou se o monumento voltará ao local após a manutenção. 

Leia tudo sobre: HomenagemSteve JobsCEOApplePresidenteHomossexualRemoçãoRússiaIntolerânciaOrientação sexual