Lucro do banco Itaú sobe 35,3% no terceiro trimestre

Em base recorrente, que exclui ganhos e perdas extraordinários, o lucro do maior banco privado do Brasil foi de R$ 5,457 bi no terceiro trimestre de 2014, 35,7% maior em relação ao valor registrado entre julho e setembro de 2013

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

undefined

Com aumento de margem e diminuição da inadimplência, o Itaú Unibanco teve lucro líquido de R$ 5,404 bilhões entre julho e setembro deste ano, valor 35,3% superior ao registrado no mesmo período de 2013. Em relação ao trimestre anterior, o avanço foi de 10,3%.

Em base recorrente, que exclui ganhos e perdas extraordinários, o lucro do maior banco privado do Brasil foi de R$ 5,457 bilhões no terceiro trimestre de 2014, 35,7% maior em relação ao valor registrado entre julho e setembro do ano passado.

Entre os eventos extraordinários do trimestre, o banco provisionou R$ 15 milhões para perdas decorrentes de planos econômicos que vigoraram durante a década de 1980.

Também entraram na conta R$ 38 milhões referentes à amortização do ágio gerado pela compra da Credicard, em dezembro do ano passado.

A melhora da margem financeira no trimestre colaborou para o desempenho maior do lucro. A margem financeira gerencial, que leva em conta operações com clientes e com o mercado (tesouraria), ficou em R$ 14,369 bilhões, 21,4% superior ao valor visto no terceiro trimestre de 2013. Em relação ao trimestre anterior, houve alta de 5,7%.

O Itaú Unibanco obteve melhora no índice que mede como os bancos remuneram o capital de seus acionistas -a rentabilidade sobre o patrimônio líquido. O indicador ficou em 24,7% no trimestre, em base recorrente. Um ano antes era de 20,9% e, entre abril e junho deste ano, de 23,7%.

Calotes

Mantendo o perfil de sua carteira de crédito, com foco em operações de menor risco como consignado e imobiliário, o Itaú conseguiu reduzir a inadimplência de 3,4% em junho para 3,2% no fim de setembro, o menor nível desde a fusão com o Unibanco, em novembro de 2008. Em 12 meses, a redução foi de 0,7 ponto percentual.

Apesar da melhora no índice de inadimplência acima de 90 dias, o banco elevou as despesas de provisões para calotes, que cresceram 6% na comparação com o terceiro trimestre de 2013, totalizando R$ 4,805 bilhões. Em relação ao segundo trimestre de 2014, o aumento foi de 7,7%.

Financiamentos

No crédito, o Itaú teve expansão de 10,2% no volume de financiamentos (incluindo avais, fianças e títulos privados) em relação ao terceiro trimestre de 2013, totalizando R$ 503,345 bilhões. A cifra também é 3,2% maior que o resultado do trimestre anterior.

Sem considerar o efeito da variação cambial, segundo o banco, o crescimento da carteira de crédito teria sido de 1,8% no trimestre e 10,8% em relação ao resultado de julho a setembro do ano passado.

No segmento de pessoas físicas, os financiamentos considerados de menor risco foram destaque: o crédito consignado expandiu 21,9% no trimestre e 77,1% em 12 meses, enquanto o crédito imobiliário teve evoluções de 4,9% e 22,4%, respectivamente.

Os financiamentos de veículos caíram 26,7% sobre o terceiro trimestre do ano passado, mas o segmento cartões de crédito apurou alta de 26% na mesma base de comparação.

O Itaú manteve expectativa de crescimento entre 10% e 13% nos financiamentos em 2014, com provisões para calotes entre R$ 13 bilhões e R$ 15 bilhões.

Leia tudo sobre: Banco PrivadoItaúLucroCaloteFinanciamentosBalançoCrescimentoBrasil