A caminhada com o Senhor

iG Minas Gerais |

Como está a sua caminhada com o Senhor? Como você tem vivido hoje? Como está o zelo do seu coração pelo Senhor? O salmista disse no Salmo 94, verso 18: “Quando eu digo: resvala-me o pé (estou descendo um degrau), a tua benignidade, Senhor, me sustém”. De todos os apóstolos do Senhor, Simão Pedro é um dos mais conhecidos, porque, normalmente, nos identificamos com ele. A história desse discípulo de Jesus começou quando seu irmão André o levou diante de Jesus, como lemos em João, capítulo 1, versos 41 e 42: “Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo), e o levou a Jesus. Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, o filho de João; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro)”. Simão Pedro nunca tinha visto Jesus. Jesus encontrou André, e este levou seu irmão, Simão, para que também tivesse um encontro com o Senhor. E Jesus não apenas olhou para Simão, como o viu em seu interior. Jesus viu o interior, o coração de Pedro. Não houve nenhuma outra palavra, quando Simão chegou diante do Senhor, Jesus disse que ele era o filho de João e seria chamado Cefas, que quer dizer Pedro. E Pedro significa pedra. Simão era volúvel, falava muito e por impulso, e, de repente, Jesus lhe disse: “Você será chamado Pedro (pedra)”. Ele não tinha consciência de como o Senhor o conhecia. Jesus conhecia toda a história dele, sabia de sua personalidade, que falava impulsivamente. No entanto, a partir daquele instante, Simão decidiu buscar a realidade de seu novo nome: Pedro. Desde então, começou a andar com Jesus, tornando-se um de seus discípulos. Ele foi um dos discípulos mais conspícuos, testemunhou milagres como a ressurreição da filha de Jairo, andou sobre as águas para ir ao encontro de Jesus, confessou que Jesus era “o Cristo, o Filho do Deus vivo”, foi abençoado por Ele e também censurado, estava sempre com Jesus. O Senhor viu as possibilidades que estavam ocultas na vida de Simão e começou a transformação na vida dele, declarando, desde o início, que ele se chamaria, a partir de então, Pedro. Ao dizer esse novo nome, foi como se Jesus tomasse Simão Pedro pelas mãos e nunca mais soltasse; até o momento da negação, quando parecia que Ele havia cometido um “suicídio espiritual”, Jesus lançou sobre ele o mesmo olhar de quando o encontrou pela primeira vez. Pedro negou Jesus por três vezes e, depois que o galo cantou, Jesus olhou para Pedro. E, no momento em que Pedro estava embaixo, no mais profundo, como num abismo, ele encontrou o olhar do Senhor. Em Lucas 22, verso 61, encontramos a mesma palavra, o mesmo olhar, diz assim: “Então, voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro (...)”. Jesus chamou a Pedro, Ele o olhou nos olhos e, quando estava no mais profundo abismo, depois de ter descido os sete degraus (para ser um exemplo para nós, hoje, não fazermos o mesmo), o olhar do Senhor era o mesmo. O olhar do Senhor continua o mesmo. É verdade que Pedro se acovardou, mas também é verdade que sua fé não desfaleceu, pois o Senhor intercedeu por ele. Os métodos do Senhor são misericordiosos ao tratar com seus filhos. Nós nos identificamos com Simão Pedro. E ainda há, no Velho Testamento, um personagem com o qual também muitos de nós nos identificamos, Jacó. Às vezes, encontro irmãos tão parecidos com Jacó que tenho vontade de chamá-los por esse nome, pois ora estão para “cima”, ora estão tão para “baixo”. Ora estão vendo uma escada para os céus, ora estão quebrados no chão. O exemplo de Jacó e Pedro nos mostra como o Senhor nos quebra para que tenhamos a vida dEle em nós. Esse é o propósito do Senhor para nós, que possamos viver a vida de Deus. Precisamos reconhecer nossa dependência de Deus, sempre!

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave