Uma noite romântica para marcar o anúncio de boas novas

Orquestra apresenta concerto regido por maestro suíço e anuncia temporada 2015 em sede própria

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |


O suíço Emmanuel Siffert será o regente convidado da Filarmônica
Shu Maozhi
O suíço Emmanuel Siffert será o regente convidado da Filarmônica

A apresentação da Filarmônica no Grande Teatro do Palácio das Artes nesta terça à noite tem um caráter especial. Além das presenças do respeitado maestro suíço Emmanuel Siffert, que será o regente convidado da orquestra, e do premiado pianista brasileiro Ronaldo Rolim como solista, o concerto contará ainda com o anúncio da temporada 2015 – que já será realizada na nova sede da Filarmônica, a Sala Minas Gerais.

“Como maestro, você está focado no trabalho, mas ele está fluindo bem e é muito bom reger um time tão organizado e com um som tão claro”, comenta Siffert, sobre a experiência de participar do momento importante na história da orquestra. O convite se deu por meio de Anthony Flint, spalla da Filarmônica, com quem Siffert já havia trabalhado na Sinfônica Nacional do Equador. Ele colocou o suíço e Fábio Mechetti em contato, Siffert apresentou três ou quatro opções de peças para a apresentação e o maestro da Filarmônica escolheu duas.

Elas são a Abertura da ópera “Dama Kobold”, de Joachim Raff, e “Ce qu’on Entend sur la Montagne”, primeiro poema sinfônico de Franz Liszt. Entre as duas, o pianista Ronaldo Rolim apresentará o “Concerto para piano nº 2”, de Beethoven. A escolha de um repertório romântico focado no século XIX não foi por acaso, já que esse é um universo com o qual Siffert já é bastante familiarizado. “Em convites assim, você não pode experimentar. Tem que trabalhar com o que já conhece, e essas peças são de um período e um estilo de que eu gosto muito”, detalha o maestro.

Isso se explica pelo fato de que o suíço teve apenas seis ensaios com a Filarmônica. Se o tempo parece pouco, com Rolim, por exemplo, Siffert só se encontrou pela primeira vez na manhã desta segunda. “Ele é muito agradável, e tivemos boas conversas sobre a velocidade e o ritmo da peça. Criamos uma atmosfera boa, a apresentação vai ter momentos trágicos, doces”, comenta.

Apesar do tempo, Siffert se diz ansioso para que a troca de energias e a comunicação que se estabeleceu entre ele e a orquestra se manifestem na noite desta terça. “Você não conhece os músicos, eles não te conhecem. Mas eu já trabalhei com muitas orquestras pelo mundo, e todas têm problemas e questões similares. O desafio é sempre encontrar o todo e tocar para o público, e não para nós mesmos”, analisa.

Agenda

O que. Orquestra Filarmônica

Quando. Nesta terça, às 20h30

Onde. Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, centro)

Quanto. R$ 36 a R$ 70 (inteira)

informações sobre a temporada 2015. www.filarmonica.art.br

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave