FIVB aprova mandato de até 12 anos, mas proíbe toque na rede

Com mudança, brasileiro Ary Graça pode ser beneficiado. Alterações nos jogos passam a valer em três meses

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Candidato único em 2016, Ary Graça pode ser reeleito e ficar no cargo até 2024
Divulgação FIVB
Candidato único em 2016, Ary Graça pode ser reeleito e ficar no cargo até 2024

O 34º Congresso da Federação Mundial de Vôlei (FIVB), realizado nesta segunda-feira, em Cagliari, na Itália, trouxe importantes decisões para dentro e fora das quadras. No jogo, a principal delas diz respeito à proibição de qualquer tipo de toque na rede. A entidade também determinou o mandato de até 12 anos para o cargo de presidente, sendo o primeiro de oito anos, seguido de uma possível reeleição, com mais quatro. As novas regras das partidas passam a valer daqui a três meses.

 

O evento contou com a presença de 210 delegados. O brasileiro Ary Graça é o presidente - foi eleito em 2012. Candidato único à reeleição, em 2016, a FIVB aprovou que um novo mandamento dele seja de oito anos. Assim, Ary ficaria à frente da Federação até 2024, quando completaria 79 anos de idade.

Quanto à regra do toque na rede, 111 delegados foram favoráveis à mudança. Antes, a jogada era considerada infração somente se  interferisse no andamento do lance. As partidas de competições mais importantes, como do Mundial, passam a contar com apenas um tempo técnico por cada set. O objetivo é deixar os duelos mais dinâmicos. Haverá também substituições na chamada 'área livre', que vai dos limites da quadra às placas publicitárias. As laterais deverão ter distância mínima de 5m, enquanto no fundo, a medida tem de ser superior a 6,5m. 

No vôlei de praia, o Circuito Mundial, antes disputado em um ano, passa a ocorrer em dois anos. Além disso, será criado um torneio que reunirá as oito melhores duplas do ranking masculino e feminino. A premiação da competição será de U$ 250 mil, cerca de R$ 580 mil. 

O campeonato Sub-23 não será mais disputado. Já o adulto segue ocorrendo em anos ímpares.

Leia tudo sobre: vôleiFIVBcongressoAry Graçamudançasalterações