Paquistão entra em alerta após atentado na fronteira com a Índia

Ao menos 55 pessoas morreram neste domingo quando um homem-bomba explodiu próximo à fronteira entre Índia e Paquistão

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Paquistão reforçou a segurança nesta segunda-feira (3) nas grandes cidades, um dia após um ataque suicida na fronteira com a Índia.

Ao menos 55 pessoas morreram neste domingo (2) quando um homem-bomba explodiu próximo à fronteira entre Índia e Paquistão, logo depois de uma cerimônia diária na qual tropas dos dois lados baixam as bandeiras dos dois países.

As autoridades paquistanesas anunciaram que Wagah, principal passagem de fronteira entre a Índia e o Paquistão, permanecerá aberta nesta segunda-feira, mas que as cerimônias serão interrompidas por pelo menos três dias.

A polícia está "em estado de alerta" em todo o país e reforçou as tropas para proteger as procissões da Ashura, ritual que relembra a morte do imã Hussein, um dos dos eventos mais importantes no calendário da minoria muçulmana xiita.

Nos últimos anos, grupos armados islâmicos sunitas atacaram procissões xiitas, que constituem cerca de 20% da população do Paquistão, um país muçulmano de mais de 180 milhões de habitantes.

Em Islamabad, a capital, e na cidade vizinha Rawalpindi, 10 mil policiais, militares e paramilitares foram mobilizados para proteger as procissões.

"Detectores de metal foram instalados nas entradas das procissões e é proibido estacionar um veículo perto das procissões", disse à AFP um porta-voz da polícia de Rawalpindi.

Atentado

O Taleban paquistanês reivindicou o ataque de domingo, dizendo que foi uma resposta às ações do Exército paquistanês contra suas posições em áreas tribais na fronteira do Paquistão com o Afeganistão.

O ataque suicida ocorreu em um estacionamento do lado paquistanês, a ao menos 500 metros da fronteira com a Índia. Nenhum membro das tropas indianas ficou ferido no ataque.

Centenas de pessoas visitam a fronteira Wagah perto da cidade paquistanesa de Lahore todos os dias para observar as bandeiras dos dois países serem baixadas pouco antes do pôr do sol.

Índia e Paquistão já estiveram envolvidos em três guerras e permanecem em conflito pela região da Cashemira, reivindicada pelos dois lados.

A Índia acusa o Paquistão de patrocinar grupos jihadistas na região e encorajar incursões em território indiano para realizar ataques contra forças indianas, uma acusação negada pelo Paquistão.

Leia tudo sobre: Atentadoterrorismohomem-bombaPaquistãoíndiafronteiraalertaMundomortosexplosão