Viajantes de países com ebola são orientados nos aeroportos do Brasil

Ministério da Saúde amplia ações de monitoramento; agora, passageiros serão informados sobre atendimento no SUS, sinais da doença e terão sua temperatura aferida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Mais. Passageiros vão ter coberturas de seguro-viagem ampliadas
LEO FONTES / O TEMPO - 10/05/09
Mais. Passageiros vão ter coberturas de seguro-viagem ampliadas

Passageiros de voos internacionais que venham de países da África Ocidental (Libéria, Serra Leoa e Guiné) afetados pelo vírus Ebola, ao desembarcarem no Brasil, receberão informações sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) e a necessidade de buscar atendimento médico, caso apresentem sintomas da doença.

Também serão avaliados sobre contatos anteriores com casos de Ebola, além de terem sua temperatura aferida. A estratégia teve início na madrugada desta sexta-feira (31) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e deve se estender a outros aeroportos do país. A ação será realizada pelo Ministério da Saúde, juntamente com a Polícia Federal, Receita Federal, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a GRU-Airport.

Ao apresentar as novas medidas, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, reiterou que é baixa a possibilidade de transmissão do Ebola no Brasil. “Trata-se do aprimoramento de ações que estão sendo discutidas com estados e municípios e todos os órgãos envolvidos. Este novo monitoramento é uma abordagem fundamentalmente de informação”, afirmou o ministro, destacando ainda a importância de munir os viajantes com informações assim que chegam ao Brasil.

“É necessário que eles tenham a garantia de que poderão procurar gratuitamente SUS, inclusive, já portando a ficha com informações da sua localidade de origem e se ainda encontram-se em período de incubação da doença”.

Apresentação sobre o tema A ação serve como um segundo nível de proteção, já que todos que saem dos países afetados pela doença já são entrevistados e tem a temperatura aferida, medida considerada mais efetiva no controle nos aeroportos.

Aqui no Brasil, os agentes de imigração vão identificar os viajantes de nacionalidades ou residentes em Guiné, Serra Leoa e Libéria, e que vieram desses países por meio de conexões saindo da Europa, Estados Unidos e África. Eles serão encaminhados ao posto da Anvisa para responder um questionário e aferir a temperatura.

Serão colhidas informações de interesse epidemiológico, como áreas afetadas pela doença por onde o viajante passou e se teve contato com pessoas doentes. Além disso, a pessoa receberá um folder em quatro idiomas (português, inglês, espanhol e francês) com informações sobre sinais e sintomas do Ebola e orientações sobre a gratuidade e o acesso aos serviços de saúde no Brasil, para facilitar a busca imediata de um serviço de saúde, caso algum viajante apresente sinais e sintomas da doença. No folder também constará o período em que o passageiro chegou ao Brasil. O objetivo do material é facilitar a comunicação entre o passageiro e a equipe médica, dando maior agilidade na identificação de um possível caso suspeito de Ebola.

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, as novas medidas “evitarão que o viajante fique em casa dois ou três dias sentindo sintomas da doença, sem saber que no Brasil há um serviço público de saúde e que ele pode utilizá-lo”, destacou o secretário. Mesmo colhendo informações e fazendo a aferição da temperatura de quem vier dos países afetados, Jarbas Barbosa informou que, para o Ministério da Saúde, “a medida mais efetiva para o controle da disseminação da doença continua sendo a interrupção da transmissão nos países afetados”.

Caso o viajante informe contato com alguma pessoa infectada, ele será monitorado por profissionais da vigilância estadual em saúde e terá a temperatura verificada diariamente. O monitoramento no aeroporto foi testado em um simulado realizado nesta quinta-feira (30), em Guarulhos, com todos os órgãos envolvidos.

Outros aeroportos O fluxo de passageiros originários de países afetados pelo Ebola para o Brasil é muito pequeno. Estima-se, com base nos dados de viagens de 2014, que apenas um a cada 40 mil passageiros, que chegam ao aeroporto de Guarulhos, é originário de países afetados pelo Ebola. Guarulhos recebe 65% dos estrangeiros que chegam aos Brasil e 78,5% das pessoas vindas de países afetados.

Na segunda quinzena de novembro, os aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), e Pinto Martins, em Fortaleza (CE), também adotarão esse procedimento de informação e monitoramento. Os três aeroportos são responsáveis por 97% da chegada de estrangeiros no Brasil. Também estão previstos a adoção da medida nos aeroportos internacionais de Brasília (DF), Viracopos (SP) e Salvador (BA).

A nova medida vem para reforçar as ações de preparação do Brasil para a eventual ocorrência de caso suspeito de Ebola. O Ministério da Saúde analisou experiências internacionais para adotar ações que, sem causar transtornos na chegada dos passageiros internacionais, aumentam a segurança para detectar um eventual caso suspeito da doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reitera que não devem ser adotadas medidas de restrição ao comércio e viagens com as áreas afetadas e que a triagem nos aeroportos de saída é a medida mais efetiva para evitar que passageiros internacionais possam disseminar a doença. Para a OMS, os países devem avaliar as vantagens e desvantagens de triagem no aeroporto de chegada e compartilhar as experiências. Países como os Estados Unidos e a Inglaterra adotaram a mesma medida agora implantada no Brasil.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave