'Pedra no rim' é mal que pode causar uma das piores dores humanas

Cálculo renal assusta os pacientes por provocar dor forte, comparável à do parto e à gerada por enfermidades como câncer e infarto

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Casas especializadas em carnes nobres se fazem ainda mais tentadoras nesta
CHARLES SILVA DUARTE
Casas especializadas em carnes nobres se fazem ainda mais tentadoras nesta

Popularmente conhecido por “pedra no rim”, o cálculo renal assusta os pacientes por provocar uma das dores mais fortes que podemos enfrentar e comparável à do parto e à gerada por doenças como câncer e infarto, de acordo com a literatura médica. Trata-se de uma massa ou agregado cristalino sólido que se forma nos rins a partir de sais minerais presentes na urina. “É uma doença mais frequente em locais e épocas secas e quentes e mais comum entre os homens”, explica o urologista Raphael Moreira, que ressalta também que quase 50% dos pacientes pode apresentar cálculos novamente depois que o problema é solucionado. A doença pode surgir por conta de fatores como causas genéticas, infecções urinárias, baixa ingestão de água, uso de medicamentos em excesso (como vitamina C e D, Indinavir, suplementos de cálcio), anormalidades no trato urinário e ingestão elevada de proteínas e sal. “Mesmo os homens sendo mais propensos, o número de casos de cálculo renal entre as mulheres vem aumentando expressivamente nos últimos 30 anos. Esta mudança pode ser explicada pelos crescentes casos de sobrepeso e obesidade feminina neste mesmo período”, afirma o especialista. A doença dá sinais de sua chegada por meio de sintomas como dor intensa nos flancos e região lombar (lateral posterior), dificuldade de urinar, enjoo, vômito, calafrios, febre e sangue na urina. O diagnóstico pode ser feito por meio de exames como raio X, ultrassom e tomografia computadorizada helicoidal, que é a melhor opção. As dores podem vir acompanhadas de tremedeira, fraqueza, irritabilidade, náuseas e vômitos. Elas se iniciam de forma aguda nas costas (região lombar) e passam a irradiar para a parte anterior do abdômen. O médico explica que, muitas vezes, o paciente com cálculo renal continua urinando normalmente, pois a obstrução pode ser parcial e outro rim segue com sua produção normal de urina. Tratamento Existem diferentes opções de tratamento para a doença:

  • Em casos de cálculos pequenos e em trânsito, existem medicações que ajudam na eliminação espontânea. No entanto, elas podem ser utilizadas somente em pacientes com dor controlada e livres de infecção.
  • Litotripsia extracorpórea - emissão de ondas de choque que fragmenta o cálculo nos rins em pedaços menores para que sejam eliminados espontaneamente. Com taxa de sucesso variável, é indicada para crianças e pessoas com cálculos menores de 2cm e na ausência de infecção. Não pode ser aplicada em gestantes, pacientes com distúrbios de coagulação ou sinais de infecção.
  • Litotripsia Intracorporea - procedimento cirúrgico em que, pela via urinária com o auxilio de aparelhos especiais, chega-se até o calculo para fragmentá-lo com laser. Apresenta altas taxas de resolução e baixo índice de complicações. Por meio dele podem ser retirados cálculos de qualquer segmento da via urinária (uretra , bexiga, ureteres e rins).
  • Cirurgia Percutânea - geralmente usada para cálculos coraliformes, que são aqueles que preenchem boa parte do interior do rim. Por meio de um pequeno furo nas costas, medindo em torno de 1cm,  cria-se um acesso até o interior do rim para a fragmentação da pedra.
  • Cirurgia Aberta – procedimento pouco realizado nos dias de hoje.
  • O especialista alerta sobre a importância de se prevenir, com simples hábitos diários e acompanhamento médico, uma doença que gera uma dor tão forte. “É fundamental ingerir muita água, para obter um volume urinário maior que 2 litros por dia. Além disso, deve-se manter uma alimentação saudável, diminuindo o consumo de carne vermelha e sal e priorizando frutas e legumes”.

    O especialista ressalta ainda a importância do tratamento em casos de infecção urinária e do acompanhamento ativo com um urologista para pacientes formadores crônicos de cálculos.

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave