Victor encarna espírito do Galo: 'emoção no Atlético não é opcional'

Previsão para esta quarta é de mais uma partida de nervos à flor da pele, como vem sendo para o Galo desde 2013

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Victor espera que apoio da torcida motive a equipe dentro de campo nesta quinta-feira
Reprodução Flickr Atlético
Victor espera que apoio da torcida motive a equipe dentro de campo nesta quinta-feira

De um lado, o atual campeão da Copa do Brasil, o Flamengo. Do outro, o Atlético, que luta para chegar pela primeira vez a uma final do torneio mata-mata. Um duelo de titãs e que poderá ser decidido nos detalhes. A previsão é de mais uma partida de nervos à flor da pele, como vem acontecendo com o Galo desde a Libertadores de 2013. Algo que o goleiro Victor já se acostumou.

"Emoção no Atlético não é opcional, é obrigatória. Todas as conquistas e jogos marcantes nesses dois anos mostram a força do nosso elenco, do clube e o poder de superação. Tenho certeza que não será diferente nesta quarta-feira. Será emoção até o último minuto. Esperamos manter o bom nível de atuações e conseguir esta inédita vaga na final da Copa do Brasil", declarou o arqueiro.

Nas quartas de final da competição deste ano, o Atlético teve de suar e enfrentar o imponderável para chegar à semifinal. A goleada por 4 a 1 sobre o Corinthians foi como um filme épico, cheio de reviravoltas e com final feliz para a Massa. Diante do Flamengo, outro adversário lendário, a expectativa é de novos confrontos que beiram o surreal.

"Quando se enfrenta grandes equipes e se classifica, isso dá uma motivação a mais. Não que os outros semifinalistas (Flamengo, Cruzeiro e Santos) não tenham vida fácil, pelo contrário. Mas em caso de uma conquista, existe um valor maior por termos superado grandes adversários. Gostamos de desafios para entrar dentro de campo e fazer nosso melhor", comentou.

"São Victor", aliás, já sentiu o gostinho de vencer batalhas tidas como impossíveis, como os embates ante Tijuana-MEX, Newell's Old Boys-ARG e Olimpia-PAR, na Libertadores do ano passado.

"Em mata-mata, existem lances pontuais que ficam mais marcados na história do clube e do atleta, vide o pênalti contra o Tijuana. Mas o jogo eliminatório tem que ser analisado como um todo. Todos os jogadores estão empenhados e focados, como nesta Copa do Brasil. Tenho de fazer minha parte, pois sou mais um dentro das peças que vão a campo. Espero poder ajudar nos momentos críticos e passar tranquilidade à equipe", ressaltou o goleiro.

Leia tudo sobre: goleirovictorespiritogaloatleticoemoçaonaoopçaocopa do brasilflamengo