No sufoco

iG Minas Gerais |

Gostaria de sanar algumas dúvidas sobre minha vida financeira. Fiquei desempregado em fevereiro deste ano. Possuía uma renda de R$ 2.500, e minha esposa R$ 750. Hoje, ganho em meu novo emprego RS 890 e minha esposa se mantém com a mesma renda. Cortei alguns gastos, mas possuo ainda um financiamento do meu imóvel de R$ 640. Tenho outros gastos como internet, cartão de crédito, além de um refinanciamento de um empréstimo. São 24 parcelas de R$ 112. Faço ainda um curso de corretor de imóveis no valor de R$ 249, em 20 vezes. Vejo esse curso como uma solução para voltar a ter uma renda maior. Mas, agora, estou preocupado, pois as contas estão começando a acumular. Gostaria de ter uma opinião de como proceder a partir daqui. (Luiz Mauricio – Betim – MG) Luiz, sua história se parece muito com algumas outras que tenho recebido. Acostumado a um padrão de renda, de repente, chega o desemprego. E, para piorar, ao retornar ao mercado de trabalho, a nova renda é bem menor que a anterior. A primeira providência você tomou: tentar adequar os gastos à nova renda. Essa é uma tarefa muito difícil. Não é fácil diminuir ou cortar despesas. Todos os nossos gastos são facilmente justificados. Mas a questão principal é que, infelizmente, não podemos arcar mais com todos eles. Temos que repensar nossas escolhas. Definir aquilo que é prioritário. No seu e-mail ficam claras as suas prioridades. O financiamento do imóvel, o empréstimo e o curso profissionalizante. Mas só essas despesas, que somam cerca de R$ 1.000, já levam grande parte do orçamento de vocês. Fica um espaço pequeno para as outras despesas, como transporte, alimentação e internet. E, pelo seu relato, você tem gasto com elas mais do que seu orçamento atual permite. E qual a consequência disso? O desequilíbrio financeiro bate à sua porta. Como você mesmo diz as contas estão começando a se acumular. E como resolver isso? Existem duas formas. A primeira delas é buscar aumentar os seus rendimentos. No médio prazo, você pretende fazer isso exercendo uma nova atividade. Mas até lá, será que não existe uma forma de adicionar uma renda extra ao orçamento do casal? Quais são as habilidades suas ou de sua esposa que podem ser utilizadas para gerar um dinheiro extra? Em quais atividades vocês poderiam ganhar um dinheiro nos dias de folga? A segunda forma é reduzir ainda mais os gastos. Apertar o cinto ainda mais, até que a situação melhore. Isso pode ser tentado de duas maneiras: cortando algum gasto específico ou fazendo um ajuste em algumas despesas. Traduzindo, você pode cortar alguma conta como a internet (só estou usando como exemplo) ou diminuir em 15% (o percentual dependerá do tamanho do ajuste que você tem de fazer) os gastos (energia, água, alimentação). O importante é fazer alguma coisa rapidamente, antes que o desequilíbrio comprometa ainda mais a sua vida financeira. Foi um grande sucesso o lançamento dos novos livros infantis da série “Meu Dinheirinho”. Agradeço a todos os leitores que estiveram presentes ou que enviaram mensagens. E aqueles interessados em adquirir os livros podem me enviar um e-mail que retorno com as indicações de como proceder. Mandem dúvidas e sugestões para o e-mail carloseduardo@harpiafinanceiro.com.br.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave