Suzane von Richthofen se casa com sequestradora em prenitenciária

Durante cerca de 12 anos de prisão, Suzane tomou várias decisões que trouxeram mudanças na sua vida; logo quando foi presa por matar os pais, se tornou evangélica, conselheira de outras detentas e, agora, deu início a uma nova vida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

ROBSON FERNANDJES/AGÊNCIA ESTADO-29.6.2005
undefined

Suzane von Richthofen, ex-estudante condenada a 38 anos e seis meses de prisão pela morte dos pais, em outubro de 2002, está casada desde setembro com a também presidiária Sandra Regina Gomes, condenada a 27 anos pelo sequestro de uma empresária em São Paulo. As informações são do jornal "Folha de São Paulo".

Durante cerca de 12 anos de prisão, Suzane tomou várias decisões que trouxeram mudanças na sua vida. Logo quando foi presa, se tornou evangélica, conselheira de outras detentas e, agora, deu início a uma nova vida.

Segundo documento exibido pelo Fantástico da "TV Globo" no último dia 12, Suzane decidiu abrir mão da disputa judicial que travava com o irmão pela herança da família na tentativa de se reaproximar dele.

Agora, com o casamento, a jovem de 30 anos trocou a ala das evangélicas, que sempre ocupou em Tremembé (interior paulista) e passou a habitar a cela de presas casadas, onde divide espaço com sua mulher e mais oito casais. Para isto, a ex-estudante precisou assinar um documento de reconhecimento de relacionamento efetivo, exigido para todas as presas que habitam a ala.

A mulher de Suzane, Sandra Regina, já havia se casado no início deste ano com a também famosa, Elize Matsunaga, de 32 anos, presa pela morte e esquartejamento do marido Marcos Kitano Matsunaga em junho de 2012.

O novo amor de Suzane é apontado como um dos motivos para ela ter aberto mão do direito de passar dias fora da prisão, concedido em agosto passado pela juíza Sueli de Oliveira Armani.

Conquistadora

Desde que foi presa, Suzane von Richthofen tem despertado paixões por onde passa. Em Rio Claro, duas funcionárias do presídio se apaixonaram por ela, o que gerou algumas regalias ilegais como acesso à internet. A história só foi descoberta após as funcionárias brigarem uma com a outra pelo amor de Suzane.

Transferida para Ribeirão Preto, um promotor teria se apaixonado pela ex-estudante. Suzane denunciou as investidas após o promotor prometer lutar para tirá-la da "vida do crime".