Cruzeiro sai na frente, mas recua muito e é castigado com o empate

Com o resultado, a Raposa, que começou a rodada com sete pontos de vantagem, foi a 61 pontos e corre risco de ver os adversários se aproximarem

iG Minas Gerais | DENNER TAYLOR |

SC - FIGUEIRENSE X CRUZEIRO / CAMPEONATO BRASILEIRO - ESPORTES - Partida entre Figueirense X Cruzeiro neste sábado pela 31 rodada da Série A do Campeonato Brasileiro 2014 no Estádio Orlando Scarpelli. 25/10/2014 - Foto: EDUARDO VALENTE/FRAME/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO
ESTADÃO CONTEÚDO
SC - FIGUEIRENSE X CRUZEIRO / CAMPEONATO BRASILEIRO - ESPORTES - Partida entre Figueirense X Cruzeiro neste sábado pela 31 rodada da Série A do Campeonato Brasileiro 2014 no Estádio Orlando Scarpelli. 25/10/2014 - Foto: EDUARDO VALENTE/FRAME/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

O Cruzeiro vacilou mais uma vez e segue devendo aquele futebol do primeiro turno, quando era praticamente imbatível tanto dentro quanto fora de casa. Na tarde deste sábado, em Florianópolis, pela 31ª rodada, o líder do Brasileiro abriu 1 a 0 sobre o Figueirense, mas desistiu do jogo ofensivo e acabou cedendo o empate aos 47 min do segundo tempo.

A aposta do técnico Marcelo Oliveira, de recuar o time ainda no primeiro tempo, se mostrou equivocada, pois o Cruzeiro passou a maior do tempo tendo que se defender de um time que luta para não ser rebaixado. E quando mais precisava dos contra-ataques para matar o jogo, o treinador colocou mais um volante, deixando o meio-campo sem qualidade para o passe final.

Com o resultado de 1 a 1, a Raposa, que começou a rodada com sete pontos de vantagem, foi a 61 pontos e corre risco de ver os adversários se aproximarem. Agora, o Cruzeiro já volta suas atenções para a semifinal da Copa do Brasil, quando enfrentará o Santos, na próxima quarta-feira, no Mineirão. Pelo Brasileirão, a Raposa volta a campo no domingo, dia 2 de novembro, contra o Botafogo, também no Gigante da Pampulha.

O jogo

Na partida deste sábado, o Cruzeiro começou com duas mudanças de última hora. Nos vestiários, o técnico Marcelo Oliveira decidiu poupar o lateral Mayke e o volante Lucas Silva. Em seus lugares, entraram Ceará e Nilton, respectivamente. A justificativa do treinador foi o cansaço muscular dos atletas.

Com a bola rolando, o líder manteve suas características e tentou pressionar o Figueirense desde o início, mas sem criar grandes chances. Após os primeiros 20 min, o Figueirense conseguiu segurar o Cruzeiro e equilibrar o jogo, saindo mais para o ataque, mas ainda com um jogo truncado, em parte por causa da arbitragem. O árbitro capixaba Pablo dos Santos foi muito questionada pelos jogadores celeste, pois não deixava o jogo correr. E por duas oportunidades, o juiz parou o ataque cruzeirense em vez de dar vantagem.

De tanto insistir, o Cruzeiro foi premiado aos 35 min do primeiro tempo, na jogada mais forte de Ceará, que, em cobrança de lateral, mandou a bola dentro da pequena área. Marquinhos aproveitou a indecisão entre o goleiro Tiago Volpi e o zagueiro Jefferson, entrou como um raio e tocou de perna direita para o fundo das redes catarinenses. O Figueira partiu para cima do Cruzeiro de forma desordenada, deixando espaços para os contra-ataques, mas os mineiros não souberam aproveitar as chances e foram para o vestiário com a vantagem mínima.

No segundo tempo, o Figueirense se arriscou todo no ataque e passou a pressionar o Cruzeiro. A marcação celeste não funcionava e os donos da casa começaram a criar boas chances de gol. Na lateral esquerda, Egídio dava muitos espaços, enquanto os atacante não conseguiam segurar a bola na frente. Preocupado, Marcelo Oliveira mexeu no time: colocou o volante Willian Farias no lugar de Henrique e o atacante Willian na vaga de Everton Ribeiro.

A partir dos 25 min da segunda etapa, o jogo ficou bem desenhado: o Figueirense apertando, e o Cruzeiro roubando bolas para tentar matar o jogo no contra-ataque. Em pelo menos três jogadas, os cruzeirenses chegaram no campo de ataque em número maior do que a defesa catarinense, mas o passe para a finalização não saía. Para tentar segurar o time da casa, o treinador celeste colocou mais um volante, Lucas Silva no lugar de Everton Ribeiro.

Pouco depois, aos 32 min, o atacante Mazola mandou uma bola no travessão de Fábio. E o drama aumentou quando o árbitro deu quatro minutos de acréscimos. E foi justamente neste pequeno espaço de tempo que o castigo chegou para o celestes. O meio-campo vacilou e perdeu uma bola fácil, que sobrou para o atacante Pablo fuzilar o goleiro Fábio da entrada da área, empatando a partida.