Babá da família de ministro da Venezuela é detida em SP com arma

Ela foi presa em flagrante pelo crime de tráfico internacional de arma de fogo, com pena de reclusão de 4 a 8 anos, inafiançável

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A babá da família de Elías Jaua, vice-presidente e ministro da Venezuela para o Poder Popular para as Comunas e os Movimentos Sociais, foi detida na madrugada de sexta-feira (24) no aeroporto internacional de Guarulhos, acusada de tráfico internacional de armas.

Ela carregava uma maleta com um revólver calibre 38, com munição, e disse que a arma pertencia ao ministro. Jaua é um dos mais poderosos ministros do governo venezuelano - já foi vice-presidente e ministro de Relações Exteriores. A babá, de 39 anos, está presa na penitenciária feminina de São Paulo, segundo a polícia.

Ela foi presa em flagrante pelo crime de tráfico internacional de arma de fogo, com pena de reclusão de 4 a 8 anos, inafiançável. A presa não tem imunidade diplomática.

A babá, cujo nome não foi divulgado, veio de Caracas com a sogra de Jaua e outros familiares em um avião da PDVSA, a estatal de petróleo venezuelana, e pousou na base aérea em Guarulhos.

Quando a bagagem passou pelo raio-x, os policiais federais foram acionados pelos fiscais da Receita Federal após a identificação de um objeto aparentando ser uma arma de fogo dentro de uma maleta da passageira. A passageira alegou trabalhar como babá da família e disse que a maleta seria do ministro.

Jaua veio ao Brasil participar de reuniões em Porto Alegre e Brasília, onde teria encontros com autoridades no Ministério do Trabalho e do Desenvolvimento Agrário, além de debate no Instituto Rio Branco, a escola de formação de diplomatas.

Segundo a Folha apurou, um parente de Jaua estaria internado em um hospital de São Paulo. A detida não foi transferida para a carceragem da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, pois somente vão para o local os detidos que estão em prisão temporária, de cinco dias, e os detidos após a decretação da reclusão pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos casos de prisão em flagrante como o da babá, os detidos são encaminhados para uma das unidades estaduais que recebem presos provisórios. Já a maioria das condenadas estrangeiras fica na penitenciária feminina da capital, onde grande parte das presas foi flagrada transportando drogas, como mulas.

Outro lado

A embaixada da Venezuela em Brasília foi procurada pela reportagem, mas não retornou ligações. A assessoria do Ministério das Relações Exteriores afirmou que não iria se pronunciar, pois não se trata de caso diplomático, e sim de crime comum.

A Polícia Federal e o Itamaraty confirmaram que se tratava de uma funcionária do ministro do Poder Popular para as Comunas e os Movimentos Sociais, Elias Jaua Milano. O governo da Venezuela foi procurado em Caracas, mas não se manifestou até as 21h30.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave