Com adversários 'dando a vida', time celebra vacilos de rivais

Jogadores admitem oscilação no Campeonato, mas destacam que todos os clubes têm sofrido com a irregularidade em campo

iG Minas Gerais | DIEGO COSTA |

Cruzeiro não conseguiu fazer uma boa atuação diante de sua torcida e apenas empatou
DENILTON DIAS / O TEMPO
Cruzeiro não conseguiu fazer uma boa atuação diante de sua torcida e apenas empatou
O segundo turno não está sendo nada fácil para o Cruzeiro. Os números mostram que a Raposa tem tido dificuldades. Dos 33 pontos disputados no segundo turno, o Cruzeiro somou 17, um índice bem inferior ao do primeiro, quando o aproveitamento celeste foi superior a 70%.      Além do cansaço, os jogadores afirmam que os adversários têm se desdobrado para jogar contra o líder do Campeonato, assim como foi contra o Palmeiras, no empate por 1 a 1. É o que defende o atacante Dagoberto. 

"É muito fácil analisar as coisas. Porque todo mundo hoje vem jogar contra o Cruzeiro, e é o jogo da vida deles. Você vê jogadores com câimbras, todo jogo estão caindo dois ou três com câimbras. Todos se doam ao máximo, porque é uma vitória frente ao líder, de uma equipe tão falada. Vai da gente buscar alternativas para isso. É normal a marcação forte ao Ricardo Goulart, ao Éverton Ribeiro", ressaltou Dagoberto. 

Ele também reconheceu o momento de instabilidade que o grupo apresenta neste momento da disputa, algo que coloca todas as equipes em igualdade em campo. 

"Pegamos um time que estava em 14º lugar (o Palmeiras), e o jogo se torna complicado. O nível está muito igual. A qualidade técnica individual é que vai fazer a diferença. É um momento de estar juntos, um momento que eu esperava de ter acontecido antes, de estar oscilando, felizmente não aconteceu. Agora é hora de olhar onde estamos errando. No meu ponto de vista, a equipe tem feito um bom trabalho", completou o atacante. 

O volante Henrique admitiu a queda de rendimento do time, mas também destacou que os principais concorrentes ao título também estão tropeçando, como no caso do São Paulo, ao empatar com a Chapecoense por 0 a 0, na última quarta-feira. 

"Que bom que, quando a gente não consegue um resultado tão bom, os adversários que estão próximos também acabam não somando. Isso tem sido favorável, está nos ajudando. Temos que contar com isso. Claro que gostaríamos de contar só com a nossa vitória, mas faz parte. A competição é muito concorrida, e que bom que está sendo dessa maneira", apontou o volante. 

 

Leia tudo sobre: CruzeirofutebolCampeonato Brasileirotítulovacilosrivaistetracampeonato