Universitários competem em desafio do arremesso do ovo

Para impedir quebra ou rachadura, jovens criam engenhocas como paraquedas

iG Minas Gerais | Litza Mattos |

Brasil. Participante da etapa em São Paulo, que aconteceu no dia 22 de outubro, comemora aterrissagem
Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool/Divulgação
Brasil. Participante da etapa em São Paulo, que aconteceu no dia 22 de outubro, comemora aterrissagem

Bastou uma maçã cair na cabeça do físico inglês Isaac Newton para que ele descobrisse a Lei da Gravidade, em 1687. Mais de 300 anos após essa descoberta, estudantes universitários de oito capitais brasileiras têm agora um novo desafio: vencer a teoria da gravitação universal arremessando um ovo de uma altura de 15 m, sem que ele se quebre.

A última etapa do “Red Bull Gravity Challenge” (Desafio da Gravidade, em português) será realizada hoje na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), na região central do Estado. Equipes de pelo menos cinco universidades de Minas Gerais devem participar da competição, que já passou por Brasília, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Recife, São Paulo e Rio de Janeiro.

Marco Malatrasi é estudante de engenharia aeroespacial da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e, junto com outros dois amigos, construiu a Apopóllo. “Nossa engenhoca é uma cápsula de isopor, no formato da Apollo 11. Ela vai cair com um paraquedas que, ao tocar o solo, aciona um gatilho, que abre uma portinha e o ovo sai rolando”, conta o capitão da equipe Astronautas BH.

O estudante explica que o dispositivo foi construído em menos de duas semanas e já passou por vários testes. “Nosso principal desafio foi com o modelo do paraquedas a ser utilizado, para que a gente conseguisse que ele se estabilizasse e atingisse a área de pouso”, afirma.

Para provar que será capaz de vencer a gravidade, a equipe verificou como o mecanismo se comporta em diversos ambientes. “Um professor liberou alguns testes no túnel de vento da faculdade – a máquina chega a 400 km/h –, mas fizemos testes com velocidade bem abaixo disso. Também testamos com um carro”, conta Malatrasi.

Segundo o estudante de engenharia civil da Ufop Guilherme de Oliveira Walter, 22, o desafio divertido é uma oportunidade de “colocar em prática vários conhecimentos aprendidos em sala de aula”. Ele conta que sua equipe tentou vários protótipos diferentes até chegar ao modelo final batizado de Galinha de Newtão. “Nosso projeto é no formato de uma galinha e recheado de espuma de travesseiro, pois percebemos que o peso influenciava muito. Colocamos um saquinho de areia para ajudar no contrapeso e o acabamento foi feito em E.V.A. (espuma vinílica acetinada)”, afirma.

Avaliação. Para vencer o desafio, as equipes deverão atender os critérios de julgamento que levam em consideração se o ovo se quebrou ou rachou, se tocou o chão, se a engenhoca pousou dentro da zona de aterrissagem, além da criatividade, eficiência e performance da equipe.

Como funciona a competição Objetivo: lançar um ovo de uma altura de 15 m, sem que ele se quebre. Cidades participantes: Brasília, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e Ouro Preto. Times: devem ter até três universitários. Foram dez dias para construir projetos. Engenhocas: não podem ter dimensão total maior que 1 m³, não devem pesar mais do que 5 kg e não devem conter materiais que apresentem algum risco. Minas: Dos 199 inscritos, 15 foram selecionados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave