Traficante colombiano preso pela PF é acusado por mais de 250 mortes

Marcos Jesús Figueroa García, de 47 anos, era procurado na Colômbia, com pagamento de recompensa de aproximadamente US$ 250 mil (R$620 mil) para quem ajudasse a encontrá-lo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O colombiano Marcos Jesús Figueroa García, de 47 anos, começou roubando carros, tal qual seu conterrâneo Pablo Escobar -um dos mais poderosos chefes do narcotráfico que a América Latina já viu atuar nos anos 80 e início dos anos 90.

Em 25 anos, "Marquitos Figueroa", como ficou conhecido entre criminosos e policiais, envolveu-se com contrabando e narcotráfico. Tornou-se um dos maiores traficantes da Colômbia, atuando principalmente no norte daquele país. Ele é acusado de liderar um grupo suspeito de ter no currículo cerca de 250 assassinatos, manter relação com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e com o grupo criminoso mexicano Los Zetas.

Procurado na Colômbia, que oferecia recompensa de aproximadamente US$ 250 mil (R$620 mil) para quem ajudasse a encontrá-lo, Figueroa buscou refúgio no Brasil. Há aproximadamente seis meses instalou-se numa casa em Boa Vista, capital de Roraima, onde passava a maior parte do tempo escondido e foi preso nesta quarta-feira (22) numa ação conjunta da Polícia Federal e da polícia colombiana.

Dois policiais colombianos infiltrados no grupo de Figueroa conseguiram informação de que ele buscara refúgio em território brasileiro, bem perto da fronteira com a Venezuela e a Colômbia - área onde ele atuava. Estava escondido numa confortável casa em Boa Vista, mas suspeita-se de que estava disposto a se instalar em definitivo e em busca de alianças e contatos para traficar também no Brasil.

Acionada pelos colombianos, a Polícia Federal brasileira demorou dois meses para localizar e confirmar que o recém-chegado a Boa Vista era um dos homens mais procurados na Colômbia. Ele praticamente não usava telefone nem internet. Vivia de mandar recados pelos seus homens, o que dificultou a identificação pela PF. "Era um fantasma. Não sabíamos nem qual era a voz dele", afirma o delegado Olsain Campos Santana, chefe da divisão de combate ao crime organizado da PF. Considerado chefe de um grupo violento, a PF mobilizou cerca de 15 homens para prendê-lo na quarta-feira. Não encontraram drogas nem armas. Figueroa estava acompanhado de um sobrinho, que não foi preso.

Por ora, não foi identificado nenhum contato de Figueroa com narcotraficantes brasileiros. Segundo a PF, somente 10% da cocaína colombiana entra no Brasil. A principal rota usada pelos colombianos passa pelo Caribe, em especial o México.

Mas a PF instaurou investigação para apurar se Figueroa estava lavando dinheiro em território nacional. Com ele foram apreendidos três carros de luxo e muitos extratos bancários. "Na Colômbia há cerca de 100 investigações em curso contra ele", diz o coronel Narcizo Martinez, que representa as autoridades de segurança colombianas no Brasil. O coronel espera que o processo de extradição do traficante, já em curso no Supremo Tribunal Federal, chefe ao fim o mais rápido possível.

Enquanto não é extraditado, Figueroa fica preso numa unidade prisional em São Paulo, onde há uma investigação em curso contra ele. Além de Marquitos Figueroa, a PF já prendeu 42 criminosos estrangeiros para fins de extradição. No ano passado foram 63 presos. O Brasil já conseguiu confiscar cerca de R$ 170 milhões movimentados por traficantes em território nacional em 2014.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave