Polícia procura por ladrões que invadiram delegacia e levaram 17 armas

Furto aconteceu no sábado, dia que não havia ninguém no local; além de armas, criminosos levaram munições, grande quantidade de droga e até DVDs pornográficos, que foram apreendidos durante ocorrência

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

A Polícia Civil de Mantena, no Vale do Rio Doce, ainda não tem pistas dos bandidos que invadiram a delegacia da cidade e furtaram 18 armas, 51 munições e grande quantidade de drogas. O crime aconteceu no último sábado (18), dia que não havia nenhum plantonista no local.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, um delegado foi até a delegacia buscar inquéritos e encontrou a porta do gabinete com sinais de arrombamento. Além dela, o setor de protocolo, a sala do cartório e a porta de acesso ao terraço estavam arrombadas.

O outro delegado também foi acionado e eles descobriram que no terraço havia uma escada de madeira. O setor de inspetoria e o espaço usado para guardar as armas estavam todos revirados. Ao todo, criminosos levaram: dois revólveres calibre 38, quatro armas 32, cinco garruchas 22 e 32, três revólveres 22, uma espingarda 32, uma carabina 22 e uma pistola semiautomática 380 na maleta e com materiais para limpar as armas.

De munições, os assaltantes furtaram 37 de revólver 38 e 14 de pistola. Uma esfera de chumbo, uma faca peixeira, um punhal, R$ 1.372 em dinheiro e 20 DVDs pornográficos, que foram apreendidos durante uma ocorrência. As drogas levadas foram maconha e cocaína. Porém, a quantidade total não foi divulgado.

Ainda segundo a corporação, durante os fins de semana, a delegacia fica fechada e, caso tenha ocorrência, ele é registrada em alguma cidade vizinha.

O delegado Iuri da Mota está à frente das investigações.

A reportagem de O TEMPO fez contato com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) para saber por qual motivo não havia segurança na delegacia mesmo com o material guardado no local. A secretaria ficou de comentar o caso. 

Leia tudo sobre: mantenaarmasdrogadelegaciafurto