Ladrões se passam por visitantes e fazem 2º arrastão no Hopi Hari

Foram levados 15 celulares, R$ 689 em dinheiro e um cartão de crédito, segundo a polícia; os suspeitos iriam fugir num ônibus de turismo, mas foram flagrados pela Polícia Militar

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Advogado da empresa nega as acusações do operário
DENNY CESARE/AGÊNCIA ESTADO
Advogado da empresa nega as acusações do operário

O segundo arrastão em menos de um mês no parque Hopi Hari, em Vinhedo (a 79 km de SP), terminou na noite de quarta-feira (22) com cinco detidos -sendo dois menores de idade.

Sem armas e passando-se por visitantes do parque, os bandidos usaram só força física para assaltar os clientes. Foram levados 15 celulares, R$ 689 em dinheiro e um cartão de crédito, segundo a polícia. Eles iriam fugir num ônibus de turismo, mas foram flagrados pela Polícia Militar.

Alguns pertences já foram devolvidos às vítimas, que fizeram o reconhecimento dos assaltantes, segundo a Polícia Civil de Vinhedo.

As vítimas foram ouvidas na madrugada desta quinta (24), mas até as 9h os detidos não tinham prestado depoimento.

Segundo a PM da cidade, os policiais militares abordaram os suspeitos no estacionamento do Hopi Hari, que fica no km 72 da rodovia dos Bandeirantes, momentos antes de eles deixarem o parque.

A ação foi possível porque seguranças do parque detiveram um dos ladrões e acionaram a PM, que foi ao local e abordou o ônibus onde estavam os demais suspeitos.

Lá, foi encontrada uma bolsa com os pertences roubados e detidas as outras quatro pessoas.

Eles não estavam armados, segundo a polícia, mas agiam com violência para roubar as vítimas, empurrando e intimidando os outros visitantes do parque.

Os detidos são de São Paulo e as vítimas, de excursões escolares de Piracicaba e São Paulo.

Por telefone, a assessoria de imprensa do Hopi Hari informou que a empresa não considera arrastão o episódio desta quarta.

Histórico

Em 24 de setembro, pelo menos seis pessoas ficaram feridas e um adolescente foi apreendido após o primeiro arrastão no parque. Os feridos tinham escoriações leves e foram encaminhados ao hospital Paulo Sacramento, em Jundiaí, e liberados.

Assim como no episódio desta quarta, o ataque de setembro foi feito por um grupo de jovens que pagou ingresso e estava dentro do parque. O passaporte do Hopi Hari custa R$ 79, se comprado antecipadamente, ou R$ 89 no local.

Na época, a ação provocou tumulto entre os visitantes, a maioria jovens que estavam no parque devido ao "Hora do Horror" -principal evento anual do parque, que começou em 15 de agosto e vai até 2 de novembro.

Em nota, na ocasião, o Hopi Hari afirmou ter sido "surpreendido por uma situação atípica e pontual, em que um grupo de visitantes veio com o único e exclusivo propósito de causar perturbações aos demais".

"O Hopi Hari informa que o seu efetivo de segurança é dimensionado de acordo com sua previsão de público", afirmou o parque na nota. "O parque informa também que adotou todas as medidas necessárias a partir desta constatação, para garantir a diversão em um ambiente seguro."

Leia tudo sobre: BrasilSão PauloCrimeViolênciaVisitantesHopi HariArrastãoRouboFlagranteParque de diversões