Novo ministro japonês admite gasto público em bar sadomasoquista

O escritório de Yoichi Miyazawa, que assumiu na terça-feira (21) o cargo de ministro e que também é senador por Hiroshima, gastou 18.230 ienes (cerca de R$ 420) no estabelecimento

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O novo ministro japonês de Economia, Comércio e Indústria admitiu o uso de recursos de seu gabinete em um bar sadomasoquista, um novo escândalo para o primeiro-ministro conservador Shinzo Abe, após os pedidos de demissão no início da semana de duas ministras por uso indevido de verba pública.

O escritório de Yoichi Miyazawa, que assumiu na terça-feira (21) o cargo de ministro e que também é senador por Hiroshima, gastou 18.230 ienes (cerca de R$ 420) no estabelecimento.

"Fiquei sabendo pela imprensa e é verdade", admitiu Miyazawa. "Mas eu não estava presente", completou.

O ministro explicou que ele não visitou o mencionado local e que pretende corrigir essa folha de despesas, pois alguém de seu escritório incluiu esse gasto por erro no documento.

O clube é conhecido por shows ao vivo de temática sadomasoquista protagonizados por mulheres em roupa íntima e nos quais os clientes do estabelecimento podem participar.

Em sua primeira reforma ministerial, anunciada no início de setembro, Abe celebrou o fato de ter permanecido com o mesmo Executivo durante dois anos.

Mas as ministras da Indústria, Yuko Obuchi, e da Justiça, Midori Matsushima, apresentaram os pedidos de demissão na segunda-feira (20), menos de dois meses depois de suas nomeações, por escândalos relacionados ao uso de verba pública.

Miyazawa substituiu Obuchi.

Os problemas em série lembram o primeiro governo de Abe, entre setembro de 2006 e setembro de 2007. Ele foi obrigado a administrar várias renúncias de ministros por escândalos, incluindo um caso de suicídio.

Com a crise, Shinzo Abe se viu obrigado a deixar o cargo de primeiro-ministro em 2007.

Leia tudo sobre: JapãoCorrupçãoVerba PúblicaMundobarSadomasoquismoministroYoichi Miyazawa