Morre motorista que teve corpo queimado após ataque a ônibus

O crime aconteceu na noite do último sábado, na região da Vila Jaraguá, na zona norte de São Paulo; segundo a polícia, os criminosos atearam fogo no coletivo e Brandão não teve tempo de fugir

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O motorista de ônibus John Carlos Brandão morreu na noite de quarta-feira (22) após ter o corpo queimado em um incêndio provocado por criminosos e ficar quatro dias internado.

O crime aconteceu na noite de sábado (18), na região da Vila Jaraguá, na zona norte de São Paulo. Segundo a polícia, os criminosos atearam fogo no coletivo e Brandão não teve tempo de fugir.

O ônibus fazia a linha (Jaraguá-Vila Madalena) e teve perda total após o ataque.

O motorista foi levado para o Hospital Geral São Mateus, onde ficou internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na unidade de queimados. Ele teve 73% de seu corpo queimado.

Os familiares da vítima não quiseram comentar o caso.

A Polícia Militar não esclareceu o motivo do ataque e está investigando o caso. Ninguém foi preso pelo crime.

O ataque

O incêndio ocorreu por volta das 19h30, na estrada Turística do Jaraguá.

O veículo foi parado por um grupo de oito pessoas, que atearam fogo ao ônibus.

A corporação não soube informar o que motivou o ataque ao coletivo e quantas pessoas estavam dentro dele no momento do incidente.

A polícia disse ainda não ter informações se o motorista foi impedido de sair do veículo pelos criminosos ou se teve dificuldade de abandonar o volante na hora do ataque criminoso.

Na garagem Santa Brígida, onde o motorista trabalha, colegas também não souberam dizer o que aconteceu.

O caso foi registrado no 33º Distrito Policial (Pirituba).

Estudo realizado pelo Centro de Inteligência da Polícia Militar mapeou os casos de ônibus incendiados no início do ano e constatou que os crimes costumam acontecer nos arredores de pontos de tráfico de drogas. O estudo foi enviado ao Ministério Público.

Leia tudo sobre: CrimeViolênciaBrasilSão PauloMotorista de ônibusônibusIncêndioataque