Pistorius também é punido por Comitê Paralímpico e fica fora do Rio-16

Mesmo que consiga reduzir sua pena de prisão pela morte da namorada, sul-africano terá de cumprir punição no esporte

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Condenado à cinco anos de prisão pela morte da namorada, Reeva Steenkamp,  o corredor paralímpico sul-africano Oscar Pistorius sofrerá sanções também em sua carreira esportiva. Nesta terça-feira, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) informou que o atleta não poderá competir pelos próximos cinco anos, ficando fora dos Jogos Rio 2016. Com isso, mesmo que consiga redução da pena, Pistorius terá de aguardar o período se quiser retomar sua vida no atletismo. Em sentença dada pela juíza no caso do assassinato, Thokozile Masipa, no tribunal de Pretória, também nesta terça,  ficou estabelecida a prisão de Pistorius em regime fechado. O sul-africano, no entanto, ainda pode recorrer da sentença. Primeiro biamputado da história a competir nas Olimpíadas convencionais, Pistorius pode conseguir a redução da pena em caso de bom comportamento. Segundo a defesa do atleta, ele precisaria cumprir um sexto da pena, dez meses, para solicitar a condicional. Do outro lado, a promotoria afirma, porém, que para fazer uso do benefício, Pistorius teria de passar por pelo menos um terço da punição, 20 meses. O grande escândalo no mundo esportivo ocorreu no dia 14 de fevereiro de 2013, quando Oscar fez vários disparos contra Reeva Steenkamp, que se encontrava no banheiro, com a porta fechada. O atleta alegou, em sua defesa, achar que se tratava de um ladrão, rechaçando a hipótese de crime premeditado. À época, no entanto, vizinhos chegaram a dizer terem ouvido o que parecia uma discussão de casal antes do assassinato, mas Pistorius acabou acusado de homicídio culposo – quando não há intenção de matar.