Conversa sobre o sobrenatural

Obra mostra como os vivos perseguem os mortos ao longo dos tempos

iG Minas Gerais | Ana Elizabeth Diniz |

Espiritismo. Mary del Priore relata casos sobrenaturais presentes em várias culturas e tempos
editora planeta/divulgação
Espiritismo. Mary del Priore relata casos sobrenaturais presentes em várias culturas e tempos

Uma pergunta persegue a humanidade desde o início dos tempos. O que há do lado de lá? Historiadores, religiosos, filósofos, antropólogos, médicos, cientistas e cidadãos comuns carregam essa dúvida. Alguns tentam explicá-la.  

Outros, como Mary del Priore, uma das maiores historiadoras do Brasil, com mais de 40 livros publicados, resgata sob a perspectiva histórica casos e relatos desse universo sobrenatural, no livro “Do Outro Lado – A História do Sobrenatural e do Espiritismo”.

“Passa-se por um túnel frio e escuro para mergulhar em águas quentes e iluminadas? Voa-se, de forma invisível, sobre o próprio corpo? Seres de luz vêm nos buscar? Nada se sabe, embora se acumulem depoimentos daqueles que voltaram do além”, diz Mary.

Em uma narrativa arrebatadora, a historiadora revela histórias saborosas e casos pitorescos, focados, principalmente, no século XIX, quando as chamadas mesas volantes permitiam que médiuns conversassem com espíritos. O livro traz relatos sobre cartomantes, videntes, sonâmbulos, endemoniados, curandeiros e ainda reproduções de anúncios, folhetos e acontecimentos de diversas épocas.

“Desde sempre se tentou estabelecer um conhecimento sobre o silêncio absoluto que separa o ser e o não ser, o conhecido e o desconhecido, o aqui e o lá, a presença e a não presença, o saber e a ignorância. Nossos antepassados acreditavam na ação dos mortos sobre vivos. Não se tratava de uma crença, como anacronicamente estamos acostumados a pensar, mas de uma verdade. Hoje, sabemos – mais ou menos – que nossos mortos não irão voltar, não terão nada a nos dizer e que não podemos lhes pedir afeição, proteção ou conselho. Nosso luto, não é mais encantado. Não era assim, outrora”, comenta Mary.

A historiadora diz que se a ideia de progresso marcou o século XIX, a de sagrado é permanente. “Em plena Guerra Fria, apostava-se no fim das religiões. A racionalização da vida social e o ‘desencantamento do mundo’, como o chamava Max Weber, pareciam acompanhar a expansão das ciências. O marxismo se encarregava de obscurecer a noção de fé, e alguns de seus porta-vozes caricaturavam qualquer crença”.

Mas, no entanto, diz ela, “se ao longo do último século assistimos ao declínio de inúmeras instituições religiosas, vimos também o ‘religioso’ renascer sob novas formas”. “No início do terceiro milênio, a experiência coletiva do sagrado e a imaginação religiosa emprestaram caminhos inéditos. Redes místicas se espalharam pelo mundo. Nas sociedades ditas modernas, as crenças proliferaram e o sentimento religioso se recompôs. Sentimento mais focado nas modalidades de fé do que no seu conteúdo”.

Para Mary, “houve ainda um estilhaçamento da esfera religiosa, onde cada um acredita no que quer ou precisa. Não se trata mais tanto de inquirir se Deus existe ou não, mas de se concentrar sobre os efeitos benéficos de crer”.

Passado

Intimidade. Colocava-se comida e bebida sobre as tumbas, festejava-se a passagem para o além com danças; uma pedra na laje impedia o defunto de voltar e ficar perto dos parentes.

Um mundo que é invisível O sobrenatural, explica Mary del Priore, é definido pela teologia como um conjunto de causas e efeitos que não pertencem ao sistema de criação visível e que escapou do funcionamento aparentemente regular da natureza e em cuja cena se operam curas e milagres. “Sobrenatural é magia e mistério. Sobre o qual dizia santo Inácio de Loyola: ‘Para quem acredita, nenhuma palavra é necessária; para quem não acredita, nenhuma palavra é possível’”.

Moradas saudáveis Um seminário em Tiradentes vai reunir, de 29 de outubro a 2 de novembro, palestrantes brasileiros e internacionais em torno do Feng Shui, a ciência do cuidado e os diálogos com a terra. Coordenado pelo arquiteto Carlos Solano, o evento vai abordar a milenar técnica chinesa que pode trazer saúde e bem-estar às moradas. Na abertura, haverá concerto de música barroca. Informações e inscrições: www.carlossolano.com.br, (67) 9287-6433 e (67) 8106-8633.

Fogo sagrado A terapeuta Letícia Tuí estará em Belo Horizonte para fazer atendimentos individuais de Fogo Sagrado – Alinhamento Energético, nos dias 17, 20 e 21 próximos. O fogo sagrado é a união entre duas grandes forças, a sabedoria ancestral indígena e o olhar, entendimento e conduta terapêuticos por meio de uma linguagem atual. A técnica atua nos corpos físico, mental e emocional, até o mais elevado nível espiritual. Informações: (31) 9954-4312 com Miriam Pederneiras.

Energia humana A psicóloga e psicoterapeuta transpessoal, Aidda Pustilnik, vai apresentar a metodologia usada pela Dinâmica Energética do Psiquismo, escola para o desenvolvimento e ampliação da consciência. A palestra vivencial “Os Campos de Energia do Ser Humano” é gratuita e acontece no dia 28 próximo, das 19h às 21h30, no Centro Terapêutico Guanamby, à rua Manoel Couto, 316, Cidade Jardim. Informações e inscrições: (31) 3411-2074, (31) 8833-3411 e (31) 8764-7689.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave