Trama de encontros e reencontros da vida

Próxima trama das sete, que estreia em 3 de novembro, tem viés sobrenatural

iG Minas Gerais | caio lírio |


Jorge Fernando esbanjou bom humor no lançamento da trama
Globo
Jorge Fernando esbanjou bom humor no lançamento da trama

São Paulo. Para apresentar a nova novela das sete da Globo, o diretor Jorge Fernando quebrou um pouco o protocolo na coletiva de imprensa que aconteceu no último sábado, 18, na Casa das Caldeiras, em São Paulo. Antes da exibição do clipe de “Alto Astral”, que estreia no dia 3 de novembro, Jorge brincou com a plateia de atores e jornalistas, revelando que a falecida autora Andrea Maltarolli soprou algumas informações que precisavam ser ditas naquela noite. “Ela mandou dizer que, quando não sabemos quanto tempo temos neste plano, o nariz da gente tem que a abaixar, pois a humildade e a parceria devem prevalecer. Precisamos ter essa política espiritual de agradecimento por vivenciar as coisas juntos! Esse é o pilar central desta novela”, explica o diretor, mantendo o clima esotérico que permeou a festa e terá forte presença na trama.

Citar Maltarolli não foi por acaso. A ideia do texto, conduzido pelo autor iniciante Daniel Ortiz, foi concebida anos antes pela novelista, quando esta ainda levava ao público “Beleza Pura”, em 2008. “Há alguns anos ela me apresentou o esboço de uma novela que brincava com o sobrenatural sem esse apelo doutrinário. Andrea adoeceu e infelizmente faleceu. No entanto, a ideia era muito boa para ser desprezada. É uma homenagem ao talento dela”, revela o autor Sílvio de Abreu, que supervisiona o texto de Ortiz.

O folhetim costura uma trama de encontros e reencontros desta e de outras vidas, e mostra as desventuras do médico Caíque (Sérgio Guizé), que descobre o dom de se comunicar com espíritos e, através dessa habilidade, conhece Laura (Nathalia Dill), o amor de sua vida, sem saber que a jornalista está de casamento marcado com seu meio-irmão, o mau-caráter Marcos (Thiago Lacerda). Caíque também vive às voltas com Samantha (Cláudia Raia), uma charlatã que perdeu seus poderes paranormais. “Me inspirei um pouco na minha guru pessoal, Cristina Fadul, que também ouve vozes e, quando faz isso, fica toda arrepiada” diz Cláudia, que promete ser o grande ponto cômico do folhetim.

A novela também vem com a missão de recuperar os bons índices de audiência da faixa das sete. O autor Daniel Ortiz aposta em situações inusitadas para atrair os telespectadores. “É uma comédia romântica, inspirada no melodrama tradicional, mas com essa cobertura do sobrenatural. É mais moderna, porque existe esse lado espiritual, que é retratado com leveza”, conclui.

O repórter viajou a convite da Rede Globo

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave