Dilma reconhecer desvios na Petrobras é avanço tardio, diz Aécio

Tucano falou à imprensa, nesta manhã de domingo (19), antes de realizar uma caminhada pela praia de Copacabana

iG Minas Gerais | Da Redação |

O senador Aécio Neves (PSDB), candidato à Presidência, afirmou neste domingo (19) que a admissão da presidente Dilma Rousseff de que houve desvio de verba na Petrobras é "um avanço" tardio.

"Reconheço que é um avanço a presidente pelo menos admitir que isso aconteceu. Talvez um pouco tarde, mas admissão é algo positivo", disse o presidenciável, antes da caminhada na praia de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

O tucano, contudo, cobrou posicionamento de Dilma em relação a citações ao tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, no depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. "Não vi até agora uma atitude da presidente em relação àquele denunciado pelo ex-diretor da Petrobras como receptor da parcela que caberia ao PT, que é seu tesoureiro", disse Aécio.

O candidato do PSDB lembrou a resistência de parlamentares do PT em criar uma CPI para investigar a corrupção na estatal. "O discurso do PT era de que aquilo era um factóide. Não existia nada daquilo. Quantas vezes eu ouvi que o Aécio queria denegrir a imagem da Petrobras?"

Em entrevista à imprensa antes da caminhada, Aécio afirmou estar com a "alma leve" e pediu à presidente o fim de ataques pessoais entre os adversários. "Quero fazer um convite à nossa adversária para que a gente possa debater propostas e falar do futuro do Brasil. Sou de uma escola política, como me ensinou meu avô [Tancredo Neves] que diz que quem deve brigar são as ideias, não as pessoas", afirmou o tucano. 

Leia tudo sobre: Aécio Nevescaminhada