Trabalho é trocado por hospedagem

iG Minas Gerais |

Em alguns lugares, o viajante pode trocar o lugar para dormir por um trabalho, negociando com o dono do hostel. Geralmente são oferecidos trabalhos para DJs, garçons, pessoas que atuam na área artística ou na limpeza, por exemplo. “A experiência é tão incrível que nós sequer chamamos de trabalho”, destaca um dos responsáveis pelo site de viagens Worldpackers e mochileiro Allan Formigoni.

No site www.worldpackers.com, há cerca de 60 hostels nacionais registrados, em 34 cidades. No mundo, são 230 hostels em 73 países.

Além dos hostels, existem fazendas que oferecem trabalho no campo, o que inclui ordenhar vacas, fazer queijos, cuidar da plantação, em troca de hospedagem e três refeições diárias. É possível se cadastrar pelo Wwoof (www.wwoof.net), que promove o encontro de viajantes com fazendeiros desde 2007. O turista geralmente cumpre entre quatro e seis horas de trabalho, conforme o que é combinado com o fazendeiro, e depois fica livre para sair e fazer seus passeios. (NO)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave