Aliança pode puxar voto de evangélicos

iG Minas Gerais |

São Paulo. A cerimônia de anteontem em que Aécio Neves e Marina Silva selaram a união no segundo turno pode ajudar o tucano a ampliar sua vantagem num segmento em que a ex-senadora é forte. Em pesquisa Datafolha do primeiro turno, de 19 de setembro, Marina liderava as intenções de voto entre os evangélicos pentecostais e não pentecostais, com 39 % dos votos.

Ao longo do primeiro turno, ela chegou a ter 45% da preferência desses eleitores. Na ocasião, Aécio tinha só 11% do eleitorado pentecostal e 16% do não pentecostal. Em pesquisa de 14 de outubro, já no segundo turno, quem passou a liderar neste segmento foi Aécio, com 58% dos eleitores; Dilma tem 42%.

Entre os convidados de Marina na cerimônia com Aécio, estava a apóstola Vanilce Milhomens, da Igreja do Senhor Jesus Cristo e cabo eleitoral da ex-senadora entre evangélicos. A evangélica disse que tem ajudado Aécio. Vanilce participou de um encontro do tucano com o deputado federal Marco Feliciano, e o presidente do PSC, Pastor Everaldo.

Para a cientista política Vera Chaia, a imagem de Marina tendo as mãos beijadas por Aécio, com cabelos soltos, pode ter outro significado: “As evangélicas não cortam o cabelo. Pode até ser uma mensagem, mas vejo outra coisa”, disse. “Os cabelos soltos são um sinal de libertação”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave