Com 530, Lifan quer ganhar volume

Lançamento coloca a marca chinesa no concorrido segmento de sedãs compactos; modelo tem preço a partir de R$ 38.990

iG Minas Gerais | Alexandre Carneiro |

Lifan 530
Lifan/Divulgação
Lifan 530

Os sedãs compactos respondem por 17,5% das vendas do mercado brasileiro. De olho nesse filão, a Lifan lança o 530, que segundo o próprio fabricante, chega com a missão de concorrer com Chevrolet Prisma, Fiat Grand Siena e VW. A marca chinesa afirma que fez clínicas com potenciais compradores e destaca o design como um dos principais atributos do modelo.

O 530 chega em duas versões. Como é tradição entre os carros chineses, os preços são atraentes: a básica sai por R$ 38.990 e a top, denominada Talent, custa R$ 40.990. Ambas vêm bem equipadas, com ar-condicionado, direção elétrica, computador de bordo, vidros, travas e retrovisores elétricos, faróis de neblina e rodas de liga-leve aro 15. Entre os itens de segurança, além dos obrigatórios airbags frontais e freios ABS (com discos nas quatro rodas), há ganchos Isofix para fixação de cadeirinhas.

A configuração mais cara acrescenta central multimídia com tela de sete polegadas sensível ao toque integrada ao painel, que agrupa CD player, DVD player, navegador GPS, câmera de ré, bluetooth, entrada auxiliar e porta USB. Bancos em couro e luzes diurnas de LEDs são opcionais, em um pacote que custa R$ 1.500.

Impressões

O visual frontal é realmente interessante, com faróis afilados e grade pronunciada. De outros ângulos, porém, o importado não impressiona tanto: a lateral é discreta, e a coluna C, com aspecto conservador, parece destoar do conjunto, enquanto a traseira é bastante sutil. Design da lanterna traseira foi inspirado em uma asa.

Por dentro, o 530 revela acabamento simples, com muitos plásticos rígidos, como é comum no segmento. A montagem é correta, mas há deslizes, como alguns parafusos à mostra. A posição ao dirigir não agradou. A coluna de direção, que tem regulagem de altura, mas não de profundidade; o porta-malas tem 475 l de capacidade.

O motor é 1.5 16V, com comando de admissão variável. Ainda assim, o resultado é modesto: são 103 cv de potência a 6.000 rpm e 13,6 kgfm de torque entre 3.500 e 4.500 rpm.

Em movimento, o sedã revela outros deslizes. O isolamento acústico do habitáculo é ruim, e permite que o os ocupantes escutem em alto e bom som o trabalho do propulsor. O desempenho é condizente com a cilindrada do motor: o 530 não é um foguete, mas consegue desenvolver velocidade com relativa facilidade. Mas o rendimento é nitidamente melhor acima de 3.000 rpm, o que estimula o motorista a esticar um pouco mais as marchas, o que faz com que o nível de ruído fique ainda mais elevado.  

Mercado

O lançamento do 530 marca o aniversário de dois anos da Lifan no mercado brasileiro. Além do sedã, a linha é composta pelo SUV X60 e pelo utilitário Foison. Atualmente, a montadora tem 49 concessionárias no Brasil.

O jornalista viajou a convite da Lifan

Leia tudo sobre: Lifan530sedã compactocarro chinêslançamento