Marcelo revela conversa para time recuperar confiança e defende Dedé

Treinador afirma que papo foi para cobrar reação da equipe e demonstrar apoio para a sequência da temporada

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Marcelo Oliveira demonstrou estar atento às mudanças promovidas por Autuori no Atlético
TEXTUAL ASSESSORIA/CRUZEIRO
Marcelo Oliveira demonstrou estar atento às mudanças promovidas por Autuori no Atlético

Para não deixar o time perder o foco e deixar as chances de conquistar o tetracampeonato brasileiro e o penta da Copa do Brasil, o técnico Marcelo Oliveira, sem tempo para treinar a equipe pela sequência de jogos, sabe que precisa conversar e muitos com os jogadores celestes para conquistar mais títulos em 2014.

Por isso, o treinador revelou uma longa longa conversa com os atletas, dividida entre cobrança e demonstração de confiança no que eles fizeram e o que podem fazer. “

“Tivemos uma conversa longa hoje nesse sentido (de recuperar a confiança). O time, às vezes, vai bem no primeiro tempo e o rendimento tem caído um pouco no segundo. Temos tido muitas dificuldades de chegar ao gol, por causa da forte marcação em cima do Alisson, do Everton Ribeiro, e em momentos de distração doamos gols para o adversário. Estamos pagando um preço alto”, disse.

“Temos que eliminar isso e retomar a confiança em tudo que foi construído, na vantagem de seis pontos para o vice-líder, na volta de jogadores importantes. Estamos confiantes que as vitórias voltarão e que vamos nos manter na primeira colocação”, completou.

DEDÉ

O comandante celeste também reforçou o seu apoio ao zagueiro Dedé, que tem cometido falhas nos últimos jogos. “Não temos problema em colocar ou tirar jogadores do time, independentemente da condição do jogador. Temos feito isso ao longo dos um ano e nove meses que estamos aqui. Eu tenho uma confiança imensa no Dedé, tanto que cheguei a conversar com ele à época de sua contratação. Acho que tem acontecido falhas no sistema defensivo como um todo. O pênalti, contra o ABC-RN, o Dedé só teve contato com o jogador adversário porque ele estava impedido”, analisou.

Marcelo Oliveira disse que a falta de tempo para treinar também tem atrapalhado a defesa cruzeirense. “Treina-se muito pouco no Brasil. Não podemos fazer um treinamento de um jogo para o outro. Se faz 10 jogos em 30 dias, o que é desumano. Mas como é assim, precisamos nos adaptar”, lamentou o treinador.

Leia tudo sobre: CruzeiroRaposaMarcelo Oliveiraconversajogadoresconfiancarecuperardedefalhas