De volta à paisagem mineira

Após circular por Ouro Preto, Olinda e Paraty, o festival MIMO aporta em Tiradentes, onde começa nesta sexta-feira

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

João Donato com músicos do Bexiga 70 é um dos destaques
David Ferreira dos Santos
João Donato com músicos do Bexiga 70 é um dos destaques

Em itinerância desde agosto quando estreou em Ouro Preto, o festival MIMO chega hoje em Tiradentes, depois de ser realizado também em Olinda e mais recentemente em Paraty. Lu Araújo, diretora artística do evento, ressalta que, neste ano, Minas Gerais ocupa lugar central na programação, ao sediar a abertura e o encerramento de uma das mais importantes mostras de música instrumental do país.

“Foi atribuída uma grande responsabilidade às cidades daqui”, brinca Lu Araújo. “Nós fizemos a primeira festa em Ouro Preto e agora levamos outras atrações para Tiradentes, e estamos muito felizes de concluir essa jornada aqui”, acrescenta ela.

A idealizadora observa que em cada destino o evento assume uma roupagem diferente, mas o desenho das ações, centradas em shows, mostras de filmes e oficinas, além de bate-papo com autores, se mantém constante. “Vamos promover em Tiradentes todas as atividades que aconteceram também nas outras cidades. Além das atrações musicais, por exemplo, vai haver o Fórum de Ideias com o Nicholas Behr, que vai falar hoje sobre a poesia marginal”, pontua Araújo.

Um traço que chama atenção desta vez, para ela, é a quantidade de concertos de música clássica nesta edição, considerada um pouco maior em relação às outras três. “Nós vamos ter a apresentação de três grupos dessa vertente que é representada pelo trabalho do Trio Puelli. Eles mostram uma música clássica contemporânea, ressaltando composições de artistas brasileiros”, destaca o organizadora.

Os outros dois grupos citados por Araújo são o Duo Milewski e o Art Metal Quinteto. “Enquanto o primeiro faz uma apanhado das criações de grandes compositores da música, o Art Metal Quinteto vai dar atenção especial ao repertório do brasileiro Henrique Alves de Mesquita (1830–1906)”, diz.

Dentre as atrações nacionais, ela também sublinha o show de João Donato com integrantes da banda Bexiga 70. Previsto para amanhã, o espetáculo é um projeto novo em que Donato revive o estilo das canções interpretadas por ele nos primeiros momentos de sua carreira. “Esse trabalho é completamente diferente do que as pessoas podem ter visto há pouco tempo, quando João Donato esteve em Belo Horizonte. Aqui ele vai fazer, amanhã, o Donato Elétrico, que remete às suas criações da década de 1970”, afirma.

Já dos nomes internacionais, ela destaca Hans-Joachin Roedelius e Christopher Chaplin, que participam da abertura da festa. Ao seu ver, a parceria se revelou uma das principais atrações do MIMO.

“Roedelius é um nome muito importante da música eletrônica no mundo e é considerado um dos precursores do gênero. No concerto ele vai fazer algo muito legal que são projeções de vídeo dentro da matriz de Santo Antônio”, ressalta ela.

Antes da dupla se apresentar nesta noite, a organista e cravista Elisa Freixo vai receber Luciana Câmara nesse mesmo espaço. Amanhã, outra novidade será o grupo sergipano Coutto Orchestra, que se sagrou como um dos finalistas do prêmio MIMO Instrumental. “Eles fazem um som instrumental dançante que é uma delícia e reverbera algo novo e jovem”, comenta Araújo. Por fim, Chico Lobo, Paulo Sergio Santos e Marcio Malard fecham a noite de domingo, na igreja do Rosário.

Agenda

O quê. Festival MIMO

Quando. De hoje a domingo

Onde. Tiradentes

Quanto. Gratuito

Programação completa: www.mimo.art.br

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave