Equipe de Vôlei Sentado abre clássico em Sete Lagoas

Jogadores amputados crescem na modalidade e sonham em disputar Paralimpíadas

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Atletas do vôlei sentado se inspiram em Sada Cruzeiro e sonham com vaga no Rio 2016
Unifemm/Divulgação
Atletas do vôlei sentado se inspiram em Sada Cruzeiro e sonham com vaga no Rio 2016

Tendo o jogo de fundo entre Sada Cruzeiro e Minas Tênis Clube como inspiração, os jogadores da equipe AMDA, de vôlei sentado, fizeram uma apresentação antes das duas principais equipes do Estado entrarem em quadra. A partida aconteceu no ginásio da UNIFEMM, em Sete Lagoas.

Formado por jogadores com algum tipo de deficiência nas pernas, elas fazem o que podem para superar os inevitáveis obstáculos e mostrar sua paixão pelo esporte.

"O próprio exemplo do Sada é ótimo para nós. É um time que cresceu, evoluiu e conquistou tanta coisa. Eles são inspiração para todo mundo. A gente tem como meta chegar cada vez mais alto", declara Adalberto Maia, 29 anos, desenvolvedor de software e amputado da perna direita.

O crescimento do time nos últimos anos foi grande e a presença nas Paralimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, que antes poderia ser um sonho, já começa a se transformar em realidade.

“Tudo começou como um projeto, mas hoje somos uma equipe. No ano passado disputamos o Campeonato Brasileiro Série C, fomos vice-campeões e subimos para a segunda divisão. Nosso objetivo é a série A e vamos lutar por isso. Jogando entre os melhores, a gente sonha com uma vaga na seleção brasileira nos Jogos Paralímpicos de 2016, no Rio. Esse é outro grande sonho. Precisamos de apoio e de um pouco mais de espaço para seguirmos crescendo”, mostra Maia.

A equipe AMDA conta com 15 atletas, que treinam duas vezes por semana no Instituto Superar, no bairro Carlos Prates, na capital.